Presidente da Gâmbia toma posse no Senegal à espera da rendição de Yahya Jammeh

Presidente da Gâmbia toma posse no Senegal à espera da rendição de Yahya Jammeh
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

CEDEAO mobiliza forças militares senegalesas, com apoio da força aérea nigeriana, para pressionar o Presidente cessante a ceder o poder a Adama Barrow, vencedor das eleições a um de dezembro.

PUBLICIDADE

A Gâmbia está em iminente estado de conflito armado. Tropas do Senegal às ordens da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental — ECOWAS , na sigla inglesa) já estão no enclave para pressionar o antigo presidente Yahya Jammeh a ceder o poder a Adama Barrow.

O Presidente eleito um de dezembro e que teve de tomar posse esta mesma quinta-feira em território senegalês, para onde fugiu no sábado após a recusa de Jammeh em abdicar do poder. A CEDEAO dá até à manhã de sexta-feira para o Presidente cessante transferir o poder para Adama Barrow.

This is the first time since the Gambia became independent in 1965 that the Gambia has changed the government through the ballot box. pic.twitter.com/UmV99FiOCS

— Adama Barrow (@BarrowOfficial1) 19 de janeiro de 2017

Após ser empossado na embaixada gambiana em Dacar, o Presidente Adama Barrow foi saudado pela União Europeia através de um telefonema da Alta Representante da política externa dos “28”, a italiana Federica Mogherini.

Statement by H.E Mogherini, EU High-Rep & VP RE: congratulatory call to BarrowOfficial1</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Gambia?src=hash">#Gambia</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/GambiaHasDecided?src=hash">#GambiaHasDecided</a> <a href="https://t.co/HxBSH2e6MX">https://t.co/HxBSH2e6MX</a> <a href="https://t.co/UUllSSbNlP">pic.twitter.com/UUllSSbNlP</a></p>&mdash; EU in The Gambia (EUinTheGambia) 19 de janeiro de 2017

Em comunicado, a também Vice-Presidente da comissão Europeia instou o ex-presidente Yahya Jammeh a reconsiderar a sua posição de não reconhecer o resultado das eleições.

Mogherini apelou a Jammeh para respeitar a vontade do povo gambiano e reconhecer o novo presidente, manifestando a disponibilidade europeia para apoiar o novo Governo de Barrow a reforçao a democracia no país, o respeito pelos direitos humanos e pelas leis.

Congratulations to the new President of #TheGambia. EU stands ready to work with you and support your efforts! Time for a #NewGambia indeed! pic.twitter.com/VOHw1454Nx

— Neven Mimica (@MimicaEU) 19 de janeiro de 2017

O Secretário-geral das Nações Unidas (ONU) também fez uma chamada telefónica ao novo Presidente gambiano, manifestando-lhe “profunda” preocupação pela “recusa do Presidente cessante em deixar o poder e pela enorme fuga de gambianos para o Senegal.

O português António Guterres expressou ainda “total apoio à determinação” de Adama Barrow e “à histórica decisão da CEDEAO, com o apoio unânime do Conselho de Segurança, para repor o cumprimento da lei na Gâmbia e para honrar e fazer respeitar a vontade do povo gambiano.”

Secretary-General expresses deep concern over situation in #TheGambiahttps://t.co/tmRd1fHEHO

— UN Spokesperson (@UN_Spokesperson) 19 de janeiro de 2017

A Gâmbia é uma república africana anglófona com cerca de dois milhões de habitantes, embutida no Senegal e com fronteira marítima, a ocidente, com o Atlântico. O enclave foi invadido esta quinta-feira por uma operação militar logo após a tomada de posse de Adama Barrow.

Video of on of the Battalions coming into #Gambiapic.twitter.com/5dIKqeopxm

— Lamin Jatta (@jattakoring) January 19, 2017

A operação tem o aval diplomático das Nações Unidas, dos Estados Unidos e da União Europeia. A entrada das tropas senegalesas na Gâmbia foi apoiada pela força aérea da Nigéria e pretende impor o mandato da CEDEAO de impor o respeito pela democracia na região.

Presidente da Gâmbia durante 22 anos, Yahya Jammeh não abdica do poder e, apesar de já não ter a legitimidade do seu lado, ainda decretou terça-feira o estado de emergência no país, com o parlamento gambiano a validar esse decreto e com isso a autorizar o Presidente cessante a ficar mais três meses no poder.

A agência de notícias nigeriana PM News adiantava esta quinta-feira à noite que o Yahya Jammeh teria fugido após o avanço das forças militares da CEDEAO e estaria em parte incerta.

Jammeh flees as West African troops enter Gambia – https://t.co/j3Agz6ob6epic.twitter.com/Jq31kMmZzY

— P.M. NEWS (@pmnewsnigeria) 19 de janeiro de 2017

1 man ruled #Gambia for 22 yrs.
1 man stands between instability & peace.
1 man can end the crisis.

It's time for Jammeh to step aside. pic.twitter.com/K1Nn3qFySJ

— UKUN_NewYork (@UKUN_NewYork) 19 de janeiro de 2017

New #Gambia president sworn in; security forces, ECOWAS should respect civilian rights during transfer of power hrw</a> <a href="https://t.co/jgnaWkCU3b">https://t.co/jgnaWkCU3b</a></p>&mdash; Jim Wormington (jwormington) 19 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron anuncia apoio de três mil milhões de euros à Ucrânia durante visita de Zelenskyy a Paris

Mudança de liderança nas Forças Armadas divide ucranianos

Zelenskyy demite comandante das Forças Armadas da Ucrânia