Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidente da Gâmbia toma posse no Senegal à espera da rendição de Yahya Jammeh

Presidente da Gâmbia toma posse no Senegal à espera da rendição de Yahya Jammeh
Tamanho do texto Aa Aa

A Gâmbia está em iminente estado de conflito armado. Tropas do Senegal às ordens da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental — ECOWAS , na sigla inglesa) já estão no enclave para pressionar o antigo presidente Yahya Jammeh a ceder o poder a Adama Barrow.

O Presidente eleito um de dezembro e que teve de tomar posse esta mesma quinta-feira em território senegalês, para onde fugiu no sábado após a recusa de Jammeh em abdicar do poder. A CEDEAO dá até à manhã de sexta-feira para o Presidente cessante transferir o poder para Adama Barrow.

Após ser empossado na embaixada gambiana em Dacar, o Presidente Adama Barrow foi saudado pela União Europeia através de um telefonema da Alta Representante da política externa dos “28”, a italiana Federica Mogherini.

Em comunicado, a também Vice-Presidente da comissão Europeia instou o ex-presidente Yahya Jammeh a reconsiderar a sua posição de não reconhecer o resultado das eleições.

Mogherini apelou a Jammeh para respeitar a vontade do povo gambiano e reconhecer o novo presidente, manifestando a disponibilidade europeia para apoiar o novo Governo de Barrow a reforçao a democracia no país, o respeito pelos direitos humanos e pelas leis.

O Secretário-geral das Nações Unidas (ONU) também fez uma chamada telefónica ao novo Presidente gambiano, manifestando-lhe “profunda” preocupação pela “recusa do Presidente cessante em deixar o poder e pela enorme fuga de gambianos para o Senegal.

O português António Guterres expressou ainda “total apoio à determinação” de Adama Barrow e “à histórica decisão da CEDEAO, com o apoio unânime do Conselho de Segurança, para repor o cumprimento da lei na Gâmbia e para honrar e fazer respeitar a vontade do povo gambiano.”

A Gâmbia é uma república africana anglófona com cerca de dois milhões de habitantes, embutida no Senegal e com fronteira marítima, a ocidente, com o Atlântico. O enclave foi invadido esta quinta-feira por uma operação militar logo após a tomada de posse de Adama Barrow.

A operação tem o aval diplomático das Nações Unidas, dos Estados Unidos e da União Europeia. A entrada das tropas senegalesas na Gâmbia foi apoiada pela força aérea da Nigéria e pretende impor o mandato da CEDEAO de impor o respeito pela democracia na região.

Presidente da Gâmbia durante 22 anos, Yahya Jammeh não abdica do poder e, apesar de já não ter a legitimidade do seu lado, ainda decretou terça-feira o estado de emergência no país, com o parlamento gambiano a validar esse decreto e com isso a autorizar o Presidente cessante a ficar mais três meses no poder.

A agência de notícias nigeriana PM News adiantava esta quinta-feira à noite que o Yahya Jammeh teria fugido após o avanço das forças militares da CEDEAO e estaria em parte incerta.