Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Fundador do Wikileaks acusa CIA de "incompetência devastadora"

Fundador do Wikileaks acusa CIA de "incompetência devastadora"
Tamanho do texto Aa Aa

Julian Assange, o fundador do Wikileaks, acusou a CIA, numa conferência de imprensa via internet, esta quinta-feira, de “incompetência devastadora” por guardar os programas de espionagem cibernética apenas num lugar.

Assange reconheceu que empresas da área tecnológica lhe pediram mais informações sobre as ferramentas de ciberespionagem da CIA e admitiu vir a trabalhar com elas:

“Decidimos trabalhar com elas para dar-lhes um acesso exclusivo a detalhes técnicos adicionais para que as falhas possam ser colmatadas e as pessoas se possam sentir mais seguras”, explicou o jornalista e escritor, entre outras coisas.

A Casa Branca tinha reagido à divulgação das primeiras novas informações do Wikileaks, com ameaças:

“Penso que o presidente já tinha falado sobre esta questão, qualquer pessoa que divulgue informações secretas sofrerá as consequências previstas pela lei. Iremos atrás das pessoas que divulgam informações classificadas. Vamos processá-las em toda a extensão da lei. Isso é brincar com a Segurança Nacional do nosso país e não é algo que deva ser tomado de ânimo leve nesta administração”, afirmou o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

Quarta-feira a CIA tinha-se recusado a comentar a autenticidade das acusações feitas pelo Wikileaks, mas ia dizendo que a organização estava a dotar os adversários dos EUA com ferramentas e informações para os prejudicarem.

Depois das declarações de Assange, a agência de inteligência dos EUA, limitou-se a dizer que o ciberativista australiano não é “exatamente um bastião de verdade e integridade”.