Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Madrid tenciona tirar vantagens do Brexit

Madrid tenciona tirar vantagens do Brexit
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Madrid poderá beneficiar de um Brexit duro. De acordo com a Bloomberg, o banco suíço, UBS, vai transferir pelos menos 300 executivos de Londres e a capital espanhola é uma das candidatas a recebê-los. Empresas do setor financeiro, mas também do energético ou aeronáutico poderão seguir lhe os passos, para além de várias start-ups. Várias empresas com sede na City preparam-se para mudar definitivamente para os seus países de origem.

Ricardo Varela, Fundador do Localistico, uma empresa que identifica potênciais mercados, explica: “Londres era basicamente um sítio muito bom para criar uma empresa de tecnologia porque havia a experiência, o capital e era relativamente fácil criar uma empresa em termos burocráticos. O problema do Brexit é saber como vai afetar tanto as medidas fiscais como o financiamento a curto prazo. Como se anunciou a flutuação da libra, por exemplo, alguns dos nossos fornecedores e alguns dos nossos trabalhadores que estão aqui em Madrid, por causa da flutuação da libra em relação ao euro já estão a ter problemas de rendimentos mais baixos”.

As relações entre Madrid e Londres são estreitas. A Espanha é o quinto país da União Europeia que mais dinheiro recebe do Reino Unido, que, por sua vez, é um investidor histórico no país. O Reino Unido investiu em Espanha, entre 1993 e 2016, mais de 60 mil milhões de euros. Só na capital estabeleceram-se entre 200 e 250 empresas britânicas, de um total de 450 em toda a Espanha.

Graças ao investimento estrangeiro procedente das ilhas britânicas em 2014, criaram-se em Madrid 41.585 postos de trabalho em 2016 – 25% dos criados em todo o território.

De acordo com a câmara do comércio britânica em Espanha, os movimentos das ilhas para o exterior começarão a ser vísiveis até ao final do ano e, segundo o seu vice-presidente, Adam Austerfield, Madrid agrada às empresas britânicas: “Na minha opinião cerca de 20% das empresas poderão deixar o Reino Unido para virem para a União Europeia, mas também considerarem a criação de sucursais e de operações de negócios na União para manterem o mercado europeu. As empresas britânicas têm muita consideração por Madrid”.

Entretanto, Madrid desenvolve esforços para atrair os talentos britânicos. A operação Chamartín, por exemplo, prevê criar um amplo espaço de escritórios e habitações e fazer uma restruturação integral do norte da capital. Mas, para já, o projeto não está concluído.

Daniel Lacalle, comissário da comunidade de Madrid e Londres garante que: “as muitas vantagens que oferece Madrid colocam a cidade numa melhor posição, na relação qualidade/custo, que muitas das outras que estão na competição”

Carlos Marlasca, o repórter da Euronews em Madrid refere: “Pouco menos de dois anos, é o tempo que resta à União Europeia e ao Reino Unido para negociar o acordo de saída. Um previsível Brexit duro favoreceria a transferência de empresas britânicas para outros países europeus.
Os movimentos são lentos e, por enquanto, quase imperceptíveis, mas a capital espanhola está na corrida com cidades como Paris, Frankfurt ou Dublin.