Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": após as eleições, que espera a UE de Merkel?

"Breves de Bruxelas": após as eleições, que espera a UE de Merkel?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O resultado das eleições alemãs foi descrito por muitas vozes como um terremoto político porque poderá mudar o rumo da Europa. Não só porque um partido de extrema-direita, anti-imigração, entrou no Parlamento pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, mas porque a grande coligação parece ter terminado e Angela Merkel está muito fragilizada.

“O impacto das eleições alemãs na UE dependerá, sobretudo, da capacidade do futuro governo alemão falar a uma só voz, algo que ficou extremamente complicado”, explica o correspondente da euronews em Bruxelas para o serviço alemão, Stefan Grober, no programa que passa em revista a atualidade europeia diária.

“Angela Merkel foi humilhada com o pior resultado para os cristãos-democratas na Alemanha do pós-guerra. Agora terá de lidar não só com o partido conservador na Baviera, como era habitual, mas com dois novos parceiros júnior, os liberais e os verdes, que se odeiam entre si mas que agora são obrigados a trabalhar juntos. Esses partidos ocuparão, seguramente, diferentes ministérios no governo de Berlim que terão impacto na política de Bruxelas”, acrescenta Stefan Grober.

O surgimento de partidos de extrema-direita é uma das razões pelas quais a Comissão Europeia diz que é necessário melhorar as condições de trabalho em toda a Europa.
Nesse sentido, tem dialogado com sindicatos e organizações do patronato sobre como modernizar as regras do mercado de trabalho. A comissária europeia para o Emprego, Marianne Thyssen, falou sobre o tema.

A 26 de setembro termina o controverso esquema de recolocação dos requerentes de asilo na União Europeia.Após dois anos, os Estados-membros não cumpriram a promessa de redistribuir 160 mil refugiados que estavam na Grécia e da Itália.

Até 4 de setembro, menos de 28 mil refugiados foram recolocados. Alguns estados membros, tais como a Hungria e a Polónia, recusaram aceitar uma única pessoa no âmbito do esquema de quotas.