EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

OMS vai repensar decisão de nomear Robert Mugabe como Embaixador da boa vontade

OMS vai repensar decisão de nomear Robert Mugabe como Embaixador da boa vontade
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma nomeação que deu origem a críticas da parte da oposição zimbabuenana e da Comunidade Internacional.

PUBLICIDADE

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde vai repensar a nomeação do Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, como Embaixador da boa vontade da OMS.

A decisão de nomear o presidente zimbabueano foi condenada pela oposição a Mugabe e por vários líderes internacionais.

I’m listening. I hear your concerns. Rethinking the approach in light of WHO values. I will issue a statement as soon as possible

— Tedros Adhanom (@DrTedros) 21 de outubro de 2017

Numa mensagem publicada na rede social Twitter, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse estar atento às preocupações de todos e que estava a repensar a questão, segundo os valores da OMS.”

OMS decidiu que Mugabe seria um bom embaixador para África

A organização especializada da ONU, dirigida desde julho pelo antigo ministro da Saúde da Etiópia, pediu a Mugabe, de 93 anos, para ser embaixador da boa vontade e promover a luta contra doenças não transmissíveis em África. Entretanto, a oposição a Mugabe recordou que o sistema de saúde do Zimbabué colapsou durante a governação de Mugabe, no poder desde 1980.

Críticas da parte do Reino Unido

O Reino Unido, antiga potência colonial, juntou-se às críticas, considerando a decisão da OMS “surpreendente e dececionante, em particular à luz das sanções dos Estados Unidos e da União Europeia contra ele”.

Os Estados Unidos consideraram a escolha igualmente “dececionante”.

“Esta nomeação contradiz claramente os ideais das Nações Unidas de respeito pelos direitos humanos e pela dignidade humana”, afirmou o Departamento de Estado dos EUA.

A maior parte dos hospitais no Zimbabué tem falta de medicamentos e de equipamento, de enfermeiros e de médicos, que trabalham, muitas vezes, sem receber salários.

Iain Levine, um dos diretores da organização não-governamental Human Rights Watch apontou a escolha como “embaraçosa” para a OMS e para o seu diretor-geral.

Mugabe corruption decimates Zimbabwe health care (he travels abroad for care) but WHO</a>'s Tedros names him ambassador <a href="https://t.co/VvqxmLYbvY">https://t.co/VvqxmLYbvY</a> <a href="https://t.co/rpfsOZg5CI">pic.twitter.com/rpfsOZg5CI</a></p>— Kenneth Roth (KenRoth) 21 de outubro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vice-presidente do Malawi morreu em desastre de avião

Junta militar do Níger responde com demonstração de força ao fim do prazo do ultimato

Presidente do Níger detido em tentativa de golpe de Estado