Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Irão está a desencadear a "fúria" dos países árabes

Irão está a desencadear a "fúria" dos países árabes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Liga Árabe reuniu-se este domingo de emergência no Cairo, para abordar aquilo a que os países árabes chamam a interferência iraniana tendo como pano de fundo a crise no Líbano e o conflito no Iémen.

O secretário-geral da organização, Ahmed Abul Gheit, declarou que tenciona discutir estas questões no âmbito de organizações internacionais, nomeadamente o Conselho de Segurança da ONU.

“Espero que os iranianos mudem de políticas e de comportamento e espero que tenha sido recebida no Irão a mensagem de que existe uma fúria árabe”, disse em conferência de imprensa.

Face a um inimigo comum, Israel começa a aliar-se com os vizinhos árabes. O ministro israelita da Energia, Yuval Steinitz, anunciou, numa entrevista na Rádio do Exército Israelita, contactos para desenvolver interesses comuns com a Arábia Saudita sem dar mais explicações.

Telavive e Riade têm no Irão um inimigo comum. A Arábia Saudita acusa Teerão de querer estender a sua influência no mundo árabe, através de movimentos como o Hezbollah libanês ou os rebeldes hutis, no Iémen.

Também o chefe da diplomacia do Bahrain, Sheik Khalid bin Ahmed Al Khalifa, diz que o “Irão está a tentar interferir nos assuntos árabes e a pôr em causa a segurança na região”.

A tensão entre a Arábia Saudita e o Irão aumentou nas últimas semanas com o episódio da demissão surpreendente do primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, a partir de Riade e com a escalada no conflito do Iémen.