Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

UE dividida entre energia renovável e fóssil

UE dividida entre energia renovável e fóssil
Tamanho do texto Aa Aa

Os ambientalistas avisam que a União Europeia vai falhar os compromissos para travar as alterações climáticas se os governos não optarem já por um modelo que dá preferência à energia de fontes renováveis em vez dos combustíveis fósseis.

Antes do início da reunião dos ministros da Energia e Ambiente, segunda-feira, em Bruxelas, Tara Conolly, da Greenpeace, explicou que “muitas empresas de energia na Europa sabem que, no fundo, terão que mudar para as renováveis e admitem fazê-lo, mas não tão cedo”.

“Alguns poderão aceitar essa transição daqui a 30 ou 40 anos. Penso que é isso que está a travar muitos ministros da Energia da União Europeia”, acrescentou a ambientalista.


A Espanha, o Reino Unido e os países do leste querem uma transição mais lenta, enquanto que a Alemanha, a França e os países nórdicos são mais progressistas sobre o pacote de medidas até 2030, proposto pela Comissão Europeia.

“O importante é estabelecer três etapas-chave para para alcançar os objetivos e é isso que defendemos”, referiu Brune Poirson, secretária de Estado francesa, à chegada para a reunião.

“Da mesma forma, no que diz respeito aos apoios do Estado, não queremos que os contribuintes europeus estejam a financiar, indiretamente, centrais energéticas que estão emitir muito CO2”, acrescentou a governante.


A posição do Conselho será depois debatida com o Parlamento Europeu, que quer um avanço mais rápido para fontes renováveis e que vai debater o tema na sessão plenária de janeiro.

Em novembro, os eurodeputados apoiaram o aumento do objetivo das energias renováveis para 35%, mas também foram criticados pelos ambientalistas por não conseguirem que as metas sejam vinculativas a nível de cada Estado-membro, em vez de serem apenas a nível da União como um todo.