Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Festival de Cinema Europeu de Les Arcs: onde o talento cinematográfico foge à formatação

Festival de Cinema Europeu de Les Arcs: onde o talento cinematográfico foge à formatação
Tamanho do texto Aa Aa

O Festival de Cinema Europeu de Les Arcs oferece uma paisagem magnífica em volta e a possibilidade de estar no efervescente centro onde se juntam profissionais europeus do cinema que possibilitam o avançar de talento que estende uma fuga à formatação da indústria e proporciona ao público a apreciação de uma cinematografia sem espartilho criativo.

Este ano há 120 filmes europeus a passar no grande ecrã do Festival e, para esses, público não falta. Contudo, se muitos vêm a Les Arcs pelos filmes exibidos, muitos outros procuram aqui parcerias para projetos futuros no mercado da co-produção, uma parte maior deste festival.

A produtora alemã Jamila Wenske exibe o seu filme Freedom no destaque Foco no Cinema Alemão desta edição do festival.

Na nona edição do festival, Jamila está à procura de financiamento para o próximo filme: “Les Arcs é famoso por imprimir a projetos futuros uma real marca de qualidade. Ajuda-te, enquanto produtora e como realizadora a definir o teu projeto a nível europeu porque encontras aqui todos os produtores, até financiadores, representantes de estações televisivas, encontra-se aqui de tudo.”

No júri deste ano está o realizador húngaro Laszlo Nemes. O seu filme O Filho de Saul começou aqui a ganhar forma e ganhou depois vários prémios, com a cereja de um Oscar no topo:
“Tenho uma história que começa em 2011, penso, quando o meu primeiro projeto de filme, que depois viria a ser “O Filho de Saul”, foi aqui apresentado no mercado de co-produção do Festival. Selecionaram-no porque lhe reconheceram potencial, quando muito poucos profissionais acreditavam nele, e por isso pensei que tinha de voltar.”

O júri terá de escolher um vencedor entre os dez filmes escolhidos para a competição oficial. Entre eles está Nico 1988, o último da realizadora italiana Susanna Nicchiarelli: “Depois de ter sido a mais bela mulher do mundo, um ícone, modelo, depois de ter cantado com os Velvet Underground, Nico tornou-se autora e a sua música foi uma muito preciosa contribuição para a história da música. Nos anos 70 e 80 ela fez alguns óptimos discos que vieram a influenciar a música posterior: o movimento gótico, o de new wave… Ela era uma música arrojada.”

A apresentar “The Escape” fora da competição em Les Arcs, o último filme alternativo que assinou, a atriz britânica Gemma Arterton diz lamentar que o cinema esteja a ficar cada vez mais formatado na Europa: “O problema no reino Unido, em particular, é que já não podes correr riscos porque ninguém vai financiar o teu filme a menos que tenhas alguém muito famoso nele. A única via para correr riscos no Reino Unido é fazendo um filme com um orçamento muito baixo onde o valor de produção é limitado. E acho que é porque as pessoas que financiam têm medo de não lucrar se a Jennifer Lawrence não for a protagonista.”

Até 23 de Dezembro, o Festival de Cinema Europeu de Les Arcs aquece o talento cinematográfico em cenário de neve.