Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A primavera da Antártida já não é o que era e os cientistas estão preocupados

A primavera da Antártida já não é o que era e os cientistas estão preocupados
Tamanho do texto Aa Aa

Desde os anos 50, a temperatura tem vindo a subir um grau e meio a cada 10 anos que passam na Antártida. O Pólo Sul é um dos locais onde mais se sente o chamado aquecimento global.

O fenómeno tem vindo a ser estudado por cientistas de todo o mundo durante o verão do hemisfério sul, onde existem estações de investigação científica. É o caso da Ilha do Rei George, no cículo polar antártico, onde a Euronews conheceu uma equipa de cientistas no terreno.

Anna é brasileira e Eduardo é uruguaio. Estudam os oceanos. Encontram-se em mais uma missão no Pólo Sul e levam a cabo trabalhos de investigação fundamentais para o futuro do Planeta.

“Aqui, tanto no Pólo Sul, como no Pólo Norte, são ambientes onde a gente menor intervenção do homem”, explica Anna.

“Então, fazer pesquisa, nestes ambientes, onde a gente tem menor impacto atrópico, é mais fácil a gente tentar encaixar modelos de mudança ambientais e climáticas nos polos, porque existe um ambiente de amplificação de todos os fenómenos que ocorrem no Globo”.

Todas as semanas, Anna e Eduardo recolhem amostras de água, situada na proximidade da superfície gelada. Estudam a concentração de fitoplancton para conhecer a amplitude da variação da temperatura das águas:

“Isso vai permitir obter as variações de temperatura, salinidade, PH e oxigénio disponível na água. A cada medição, conseguimos estabelecer as possíveis variações de temperatura e que podem me dizer mudanças ambientais ou mudanças climáticas”, explica a oceanógrafa brasileira.

O vento permanente sobre a Antártida é um aliado destes cientistas sul-americanos. Trazidas de milhares de quilómetros de distância, chegam ao Continente Branco partículas de todo o Planeta, com preciosas informações.

“O que tá passando ao redor do mundo (…) não posso garantir que todas as atividades do mundo a gente consegue ver rastros aqui. Mas que é possível a gente encontrar registro de algumas atividades nos polos”, diz Anna à Euronews.

As amostras são estudadas como se fossem páginas de um livro. Só assim Anna consegue entender a evolução do clima Antártico. E para esta cientista, as conclusões são claras.

Anna diz que, através do modelo, pode ser constatada “uma rampa de crescimento da temperatura nas últimas décadas” e que “esse crescimento não acontece só regionalmente”, porque “num âmbito geral, a temperatura tende a aumentar.”

Os efeitos do aquecimento global são, para os cientistas que trabalham na Antártida, inegáveis.

A temperatura tem vindo a aumentar na região, um fenómeno com consequências graves para o Planeta. O fenómeno cíclico da extensão do gelo, passou de 16 para 14 quilómeztros quadrados em novembro de 2016 um recorde de 20 anos. Outro fenómeno precoupante é o do aumento das temperaturas, de dois a quatro graus centígrados acima da média.

Eduardo Oliveira é perito em meteorologia e trabalha em glaciares e icebergs. Diz que os os Icebergs “chegam aos 20 metros de altura por 200 metros de comprimento”.

“Atrás de mim,” explica à Euronews, “está um glaciar que era muito mais alto. Tinha muito mais gelo. Nos últimos anos, perdeu envergadura.”

O aquecimento global impõe, na Antártida, mudanças que deixam os cientistas em estado de alerta. O mar torna-se mais ácido e mais quente. Os corais perdem tonalidade e tornam-se esbranquiçados. Em todo o Mundo, a fauna e a flora sofrem as consequências.