EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

ONU acusada de silêncio com casos de assédio e abuso sexual

António Guterres declarou combate ao assédio e abuso sexual uma prioridade
António Guterres declarou combate ao assédio e abuso sexual uma prioridade Direitos de autor REUTERS/Toussaint Kluiters/United Photos
Direitos de autor REUTERS/Toussaint Kluiters/United Photos
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O jornal The Guardian falou com pelo menos 15 vítimas, que denunciam o ambiente de impunidade no seio da organização.

PUBLICIDADE

As Nações Unidas estão a ser abaladas por um escândalo de assédio e abuso sexual. Atuais funcionários e ex-empregados apontam a promoção de uma cultura de silêncio e impunidade perante relatos que vão desde o assédio verbal a queixas de violação.

O caso foi revelado pelo jornal inglês The Guardian, que falou com pelo menos 15 vítimas espalhadas por diferentes escritórios no mundo e que disseram que a instituição nada fez para travar o problema.

O escândalo surge num momento em que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, declarou uma política de tolerância zero ao assédio e abuso sexual. O tema foi mesmo definido no final de 2017 como uma prioridade dentro da ONU, que admitiu já no passado a preocupação com a falta de queixas.

Os casos terão ocorrido em diversas partes do mundo onde os serviços da ONU estão presentes. Entre as vítimas, pelo menos três mulheres contaram ainda que foram ameaçadas com o fim do contrato ou acabaram mesmo obrigadas a deixar o trabalho.

Esta já não é a primeira acusação de cumplicidade da ONU com assédio e abusos sexual. Já nos últimos dois anos foram denunciados casos na República Centro Africana e Haiti.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

#MeTooEP lança nova campanha no Parlamento Europeu

Mundial, fãs e assédio: o outro lado da festa

Afegãos procuram sobreviventes após as inundações que causaram centenas de mortos