Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A estreia de Trump em Davos

A estreia de Trump em Davos
Tamanho do texto Aa Aa

“Quando os Estados Unidos crescem, o mundo também cresce”, Donald Trump fez um discurso muito aguardado em Davos:

“Acredito na América. Como presidente dos Estados Unidos colocarei sempre a América primeiro, tal como os líderes de outros países também devem colocar os seus países primeiro. Mas, América primeiro não significa América sozinha.”

Um discurso em linha com o que o presidente norte-americano disse no passado repetindo, sem surpresa, a mensagem que os Estados Unidos estão abertos para negócios.

As coisas aqueceram um pouco quando Trump voltou a criticar a imprensa:

“Como homem de negócios, sempre fui muito bem tratado pela imprensa. Foi só quando me tornei político que percebi o quão desagradável, má, viciosa e falsa a imprensa pode ser.”

Fenómeno raro Davos, a audiência soltou algumas vaias, mas também houve espaço para gargalhadas durante o discurso do presidente dos Estados Unidos. Gargalhadas quando disse não compreender porque é que recebe tanta atenção da imprensa e vaias quando falou de notícias falsas.

Na opinião do jornalista Keir Simmons, da NBC, “foi um Donald Trump diplomata, tentando chegar às pessoas, mantendo-se muito fiel ao discurso previamente preparado. O problema é que quando diz que está ‘a tomar conta da América e que os outros países devem tomar conta de si próprios’, se pensarmos na História, vemos que quando isso aconteceu, as coisas acabaram muito mal para o mundo. Dito isto, há muita gente em Davos, multimilionários, proprietários de grandes empresas, que estão a ganhar muito dinheiro por causa dos cortes nos impostos de Donald Trump. Portanto, a receção foi calorosa, pelo menos de parte da sala”.

Trump reivindicou crédito pelo crescimento económico ocorrido durante o primeiro ano do seu mandato. Mas, enquanto discursava, os números oficiais foram divulgados, indicando que a economia americana cresceu menos do que o esperado, apenas 2,6% no último trimestre, quando a expectativa era de 3%.

Para Kenneth Rogoff, antigo economista-chefe do FMI“com Trump estamos muito mais preocupados com o comportamento aleatório, que possa simplesmente mudar de ideias de um dia para o outro. Ele faz coisas que provocam problemas. O mundo já está um pouco habituado a isso, portanto quando ele diz algo mais louco, as pessoas dizem ‘bom, é o Donald Trump, esperem mais um dia que a coisa passa’. Mas à grande questão – se temos um par de mãos seguras ao leme da economia mundial – acho que a resposta só pode ser ‘não, não temos’”.

Os líderes políticos europeus não estavam na sala durante o discurso. Angela Merkel, Emmanuel Macron e Paolo Gentiloni discursaram perante o Fórum Económico Mundial na quarta-feira, lançando alertas contra o protecionismo.

Perguntámos ao Comissário Europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici como viu a estreia de Trump em Davos e o que pensa do mote ‘América primeiro’:

“Congratulo-me com o facto de Trump estar aqui em Davos. Mas, precisamos de defender a nossa via e a via Europeia é diferente da de Trump. Nós defendemos o multilateralismo. Nós recusamos o protecionismo. Nós estamos a lutar contra as alterações climáticas e devemos estar orgulhosos disso. É por isso que temos de assumir a ofensiva na promoção deste via europeia. Ele diz ‘América primeiro’. Eu não digo ‘Europa primeiro’, mas adoro a via europeia. Digo que devemos responder ao ‘América primeiro’ através da via europeia.”