Última hora
This content is not available in your region

Itália tenta travar ida da Agência Europeia do Medicamento para Amesterdão

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva com AFP
euronews_icons_loading
Itália tenta travar ida da Agência Europeia do Medicamento para Amesterdão
Direitos de autor  REUTERS/George Frey/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

A pouco mais de um ano para o Brexit e face a um terreno vazio em Amesterdão, a Itália pediu ao Tribunal de Justiça da União Europeia que revogue a decisão de transferir a Agência Europeia do Medicamento de Londres para a capital holandesa.

"Ficará abaixo do ideal, mas vamos continuar a trabalhar"

Noel Wathion Diretor-executivo adjunto, AEM

Depois de visitar o local e apresentar o projeto, o arquiteto responsável, Fokke van Dijk, afirmou à euronews que "estará pronto no dia 15 de novembro de 2019 porque vamos construí-lo muito rapidamente".

"Analisamos de forma muito pormenorizada em que partes do projeto poderíamos encurtar os prazos, tanto ao nível do desenvolvimento, como do desenho e dos concursos públicos", explicou.

Mas mesmo que se cumpra o prazo, os cerca de 900 funcionários terão de ficar, por alguns meses, num edifício provisório e acanhado.

"Ficará abaixo do ideal, mas vamos poder continuar a trabalhar, para garantir que há uma certa continuidade do ritmo de funcionamento durante o período de transição, até que possamos ocupar as novas instalações", admitiu, à euronews, Noel Wathion, diretor-executivo adjunto da agência.

A queixa de Itália surge porque Milão, no norte do país, foi a outra cidade que chegou à fase final de seleção.

"A proposta inicial feita pela Holanda previa um alojamento temporário, mas revelava não ter um conhecimento claro das exigências da agência. Quando começaram as visitas a esse local, os próprios especialistas e o governo holandês reconheceram que precisava de adaptações", disse, à euronews, Giovanni La Via, eurodeputado italiano do centro-direita.

Várias cidades participaram no concurso inicial, incluindo o Porto, em Portugal, mas Amesterdão ganhou a votação secreta no Conselho Europeu.