Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Líder da extrema-direita italiana define prioridades

Matteo Salvini e apoiantes
Matteo Salvini e apoiantes
Tamanho do texto Aa Aa

O líder de extrema-direita italiano, Matteo Salvini, foi recebido com aplausos de apoiantes esta terça-feira em Estrasburgo, antes de participar na sessão plenária do Parlamento Europeu.

"'Somos pessoas de senso comum e como tal esperamos renegociar alguns destes tratados, diretivas e obrigações"

Matteo Salvini Lega

Salvini pode vir a tornar-se primeiro-ministro italiano na sequência das eleições legislativas que deram a vitória a partidos anti-sistema.

Dirigindo-se aos jornalistas presentes na sala de imprensa, Salvini acusou a União Europeia de concentrar-se demasiado em regras e números e não nos cidadãos comuns.

Salvini falou igualmente sobre o desrespeito da regra orçamental dos 3% e à possibilidade de Itália sair do euro.

'Somos pessoas de senso comum e como tal esperamos renegociar alguns destes tratados, diretivas e obrigações. Caso contrário, não coloco de parte outras opções. Improvisar a nossa saída do euro não é algo que antevejo. Se houver uma maioria de governos preparados para discutir as políticas monetárias, então contar-nos-emos entre eles", disse Salvini antes de se dirigir aos eurodeputados.

Quanto à questão da emigração e do sistema de quotas obrigatórias, Salvini deixou claro que a sua prioridade é a defesa das fronteiras externas de Itália.

"O nosso objetivo é evitar as chegadas e investir nas deportações. Temos que defender as nossas fronteiras externas, o número de relocalizações tem sido muito baixo, é uma espécie de insulto à custa de Itália. Há pequenos passos que foram tomados como a abertura de centros em África para identificação e acompanhamento dos migrantes mas temos que acelerar o processo", rematou o líder da extrema-direita italiana.

João Ferreira