Última hora

Última hora

"Não queria matar pessoas que não partilham as minhas opiniões"

"Não queria matar pessoas que não partilham as minhas opiniões"
Tamanho do texto Aa Aa

Da prisão na Síria para a cidade universitária de Louvain-la-Neuve (Bélgica), a vida de Yahia Hakoum mudou drasticamente. Em 2011, o jovem participou em manifestações contra a repressão política e dificuldades económicas sob o regime de Bashar Al-Assad e acabou preso.

"A UE aceitou desempenhar o papel de uma grande organização não-governamental que presta ajuda humanitária"

Yahia Hakoum Refugiado sírio e ativista na Bélgica

Apesar de nunca ter feito parte de um grupo militar de oposição, passou 45 dias detido e sob tortura, que o fizeram perder 31 quilos.

“Quando fui libertado, estava pele e ossos e as pessoas tinham medo de mim. As torturas eram sistemáticas e visavam causar transformações a nível psicológico e físico", contou à euronews.

Yahia foi ajudado pelo padre italiano Paolo Dall'Oglio, que lhe obteve um visto de estudante para a Bélgica. Atualmente, o jovem frequenta um mestrado em Ciência Política e tornou-se ativista para explicar, na Europa, o que é viver sob o regime de Assad.

"Preferi deixar o país porque não queria matar pessoas só porque não partilham as minhas opiniões políticas. As palavras são as únicas armas que tenho. Sei que não tenho muita influência, mas o pouco que posso fazer pelo meu país, hoje em dia, é testemunhar sobre o que aconteceu e o que ainda está a acontecer no país", afirmou.

Sobre o futuro da Síria, Yahia diz que a paz não virá das negociações entre o Irão, a Rússia e a Turquia. Também tem pouca fé na União Europeia (UE) enquanto efetivo mediador de paz.

"A UE aceitou desempenhar o papel de uma grande organização não-governamental que presta ajuda humanitária, que transfere dinheiro. A União poderia desempenhar um papel maior através de sanções económicas, mas até as sanções económicas não são respeitadas por todos".

O estudante é, também, crítico do papel desempenhado por outros países da região que apoiam a chamada oposição oficial, nomeadamente a Arábia Saudita, o Egito e o Qatar.

“Eles nunca ouviram as pessoas que vivem no país. Até agora, não existe uma delegação que represente efetivamente a população da Síria, que posso representar a revolução. Esta revolução não pertence a pessoas idosas, não pertence à oposição histórica de Assad. Esta é a revolução da juventude e esta juventude nunca teve a possibilidade de falar a nível político”.

Depois de ter perdido vários familiares, Yahia espera regressar à Síria para voltar a ver aqueles tenham conseguido sobreviver à guerra.