Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A "amizade improvável" entre Trump e Macron

A "amizade improvável" entre Trump e Macron
Direitos de autor
REUTERS/Kevin Lamarque
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump foi o primeiro presidente dos Estados Unidos, desde Calvin Coolidge, há um século, a não receber um líder estrangeiro em visita de Estado, no primeiro ano no cargo. Quinze meses depois de chegar à Casa Branca, Trump estendeu finalmente o tapete vermelho para o homólogo francês, Emmanuel Macron.

A euronews analiza a relação entre os dois presidentes com Kristine Berzina, investigadora do German Marshall Fund of the United States.

Stefan Grobe, euronews: "Como caracteriza os laços entre Donald Trump e Emmanuel Macron?"

Kristine Berzina: " Macron é o melhor amigo de Trump do lado Europeu do Atlântico! Trump não tem tido grandes relações com os aliados, de forma geral. Tem promovido a confrontação. Isto diz à Europa que Macron é realmente o melhor homem para enviar para remendar as relações e encontrar terreno comum com Trump."

Embora com posições distintas, Macron e Trump são ambos presidentes decididos a deixar a sua marca na história. A ousadia de ambos em desafiar o "status quo" poderá estar por trás da amizade improvável que têm formado.

Kristine Berzina: "Macron é um vencedor, certo? Venceu de forma decisiva as eleições... É claro que Trump não o apoiou inicialmente, durante a campanha, mas venceu e os vencedores têm um certo peso para o presidente norte-americano. Macron, quando tenta mudar a legislação do trabalho em França, também está a conduzir batalhas que são controversas. É claro que são diferentes, mas a vontade de defender interesses enraizados, fazer as coisas de forma diferente, penso que é algo comum a estes dois homens."

Os laços entre os dois têm transformado Macron num "mensageiro" da Europa do outro lado do Atlântico.

Kristine Berzina: "Também existem assuntos europeus ou coisas que são motivo de preocupação para o resto dos países europeus que Macron é enviado para transmitir ou abordar com Trump, porque tem a melhor relação. Sabemos isso porque, na sexta-feira, a chanceler alemã Angela Merkel também visitará Washington... É uma visita de um dia, quando Macron são três. Por isso ele está a aquecer Trump para temas e preocupações europeias, que depois outros darão seguimento. Mas ele é o primeiro mensageiro acerca desses assuntos."