Volkswagen mantém-se refém do "dieselgate" nos EUA

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Reuters
Marca alemã continua sob os holofotes americanos pela negativa
Marca alemã continua sob os holofotes americanos pela negativa   -   Direitos de autor  REUTERS/Fabian Bimmer

A dupla acusação nos Estados Unidos, por conspiração e fraude eletrónica, contra o antigo diretor executivo (CEO) da Volkswagen, Martin Winterkorn, é apenas o mais recente episódio do chamado "Dieselgate", o esquema utilizado pela fabricante alemã para ludibriar os testes de gases poluentes no mercado americano e denunciado em setembro de 2015.

Atual membro da direção de supervisão do clube desportivo Bayern de Munique, Winterkorn, de 70 anos, demitiu-se da Volkswagen dias após o escândalo das amissões poluentes ter sido tornado público.

A caminho dos três anos sobre o início do "dieselgate", o grupo automóvel alemão aceitou pagar mais de 25 mil milhões de euros pela fraude das emissões de gases nos carros a gasóleo, incluindo um programa de recompra de veículos que a empresa foi obrigada a colocar em marcha.

A empresa ofereceu-se para recomprar cerca de meio milhão de carros. Até junho do próximo ano, a Volkswagen tem de recomprar ou corrigir 85 por cento dos veículos afetados senão terá de enfrentar multas ainda mais pesadas pelas emissões poluentes.

A 31 de dezembro, uma nota no tribunal revelava que a Volkswagen já havia readquirido à altura 335 mil veículos a gasóleo vendidos no mercado americano, já teria revendido 13 mil e destruído cerca de 28 mil.

Em meados de fevereiro, os carros recuperados pela empresa ascendiam a cerca de 350 mil, com um custo a rondar os 6,2 mil milhões de euros.

A empresa teria ainda sob custódia cerca de 300 mil carros, distribuídos por cerca de 37 mil depósitos em diversas partes dos Estados Unidos, incluindo estádios abandonados e fábricas de papel.

A empresa garante já ter reparado cerca de 83 por centos dos carros afetados e espera atingir em breve a quota exigida exigida.