Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Os tweets da discórdia

Os tweets da discórdia
Tamanho do texto Aa Aa

A cimeira do G7 isolou ainda mais os Estados Unidos depois de mais uma publicação explosiva de Donald Trump nas redes sociais já depois de terminada a reunião e dos habituais sorrisos da foto de família. Apesar do Presidente dos EUA ter voltado atrás no acordo quando até já estava a caminho de Singapura para se encontrar com Kim Jong-un, a comunidade internacional não se mostrou surpreendida.

Para Heiko Maas, ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, "já vimos isto com o Acordo de Paris e com o Programa Nuclear do Irão. Numa questão de segundos no Twitter, é possível destruir a confiança existente, para a construir de novo é preciso muito mais tempo. Temos de manter a cabeça fria e avaliar as consequências."

O chefe da diplomacia alemã não foi o único a criticar a reação intempestiva do presidente dos Estados Unidos. Fonte anónima do Eliseu em declarações à France Info referiu que a cooperação internacional não podia depender da cólera e de palavras baixas e que é preciso sermos sérios e dignos dos nossos povos.

Já o vizinho de Donald Trump, Justin Trudeau, que até esteve na origem da polémica, preferiu passar ao lado da confusão e destacou o histórico acordo que se atingiu na cimeira, que irá garantir prosperidade económica, proteger a democracia e preservar o ambiente e que é isso que conta.

Os sorrisos da foto de família acabaram por durar muito pouco tempo...