EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Balanço do "inferno" grego aproxima-se da centena de mortos

Sobreviventes avaliam cenário de devastação deixado pelo fogo
Sobreviventes avaliam cenário de devastação deixado pelo fogo Direitos de autor REUTERS/Costas Baltas
Direitos de autor REUTERS/Costas Baltas
De  Francisco Marques com Reuters, Lusa,
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A contagem oficial indica 74 vidas ceifadas pelos incêndios na região de Ática, mas autarca de Rafina admite haver bem mais devido ao número de pessoas incontatáveis

PUBLICIDADE

O rasto de devastação provocado pelos incêndios na Grécia está a deixar também um balanço de vítimas próximo àquele que assolou Portugal no ano passado.

O balanço oficial de vítimas às primeiras horas desta quarta-feira apontava para 74 mortos e 164 feridos, incluindo 23 crianças. A imprensa grega, contudo, já ia um pouco mais além e referia a descoberta de mais três cadáveres, agravando o balanço oficioso para 77 mortos.

Pelo menos uma centena de pessoas mantém-se incontactável e o presidente da Câmara de Rafina, um dos municípios da região administrativa de Ática, que integra Atenas a ocidente, admitia que o número de mortos viesse a ultrapassar em breve a centena.

Uma página de internet foi lançada e nela estão a ser colocadas fotografias de algumas das mais de 100 pessoas dadas como desaparecidas na sequência destes incêndios.

A zona balnear de Mati é uma das áreas mais afetadas pelo fogo. Mais de duas mil casas já terão ardido na região de Ática.

A origem das chamas não foi ainda apurada, mas existem suspeitas de mão criminosa, numa região já habituada altas temperaturas e a incêndios, mas não com a atual gravidade.

As chamas têm sido alimentadas por ventos na ordem dos 100 quilómetros/ hora.

Na terça-feira, o primeiro-ministro Alexis Tsipras declarou três dias de luto nacional na Grécia e o executivo helénico decidiu desviar 20 milhões de euros do Programa de Investimento Público para a ajuda imediata às zonas mais afetadas pelo fogo.

As histórias de fins trágicos e de sobreviventes in extremis continuam. Um grupo de 26 pessoas foi encontrado terça-feira carbonizado num campo junto a Mati. Estariam a tentar fugir das chamas, mas cercados pelo fogo, abraçaram-se e assim foram descobertos os cadáveres.

Por outro lado, muitos foram os que escaparam das chamas mergulhando no mar.

Não há notícia de portugueses entre as vítimas já identificadas.

A Grécia ativou entretanto o Mecanismo Europeu de Proteção Civil. Ajuda está já a ser enviada de vários países europeus, incluindo um grupo de 50 elementos da Força Especial de Bombeiros de Portugal.

"Fizemos uma avaliação com grande urgência, compreendendo o nível dramático do que está a acontecer na Grécia. Decidimos, dentro de um quadro de emergência e dos nossos recursos, enviar, para já, cerca de 50 elementos da Força Especial de Bombeiros", afirmou o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O scretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, afirmou que Portugal não vai ficar desprotegido na sequência do envio também para a Suécia de meios aéreos localizados em Vila Real e que tinham a função de prestar apoio a toda a região Norte do País.

Outras fontes • Ta Nea, Protagon, BBC

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndios causam dezenas de mortos na Grécia

Grécia recebe ajuda de outros países da UE

Arguidos do incêndio de 2018 que matou mais de 100 pessoas na Grécia voltam a julgamento