Última hora

Última hora

Ativistas antirracismo ensombram concentração de supremacistas brancos em Washington

Em leitura:

Ativistas antirracismo ensombram concentração de supremacistas brancos em Washington

Ativistas antirracismo ensombram concentração de supremacistas brancos em Washington
Tamanho do texto Aa Aa

Munidos de cartazes, milhares de ativistas antirracismo desfilaram pelas ruas de Washington rumo à praça Lafayette, em frente à Casa Branca.

Foi aqui que se concentraram, este domingo, neonazistas e supremacistas brancos, um ano depois da tragédia de Charlottesville, que se traduziu na morte de três pessoas e em dezenas de feridos.

No terreno a polícia impediu o contacto entre os dois lados rivais. Apesar da tensão não se registaram grandes incidentes.

Depois de alguns discursos, a chuva acabou por colocar termo à concentração convocada pela rede de extrema-direita "Unir a Direita" (Unite the Right, em inglês). Esperavam-se aproximadamente 400 pessoas mas só cerca de 20 responderam sob a liderança de Jason Kessler, promotor da manifestação do ano passado em Charlottesville.

"Estamos em 2018. Não estamos na era da segregação das chamadas leis Jim Crow. As pessoas brancas estão a tornar-se uma minoria nos EUA e na Europa e deparamo-nos com discriminação real", sublinhou Jason Kessler, líder da rede "Unir a Direita."

Do lado dos contra-manifestantes reafirmou-se a rejeição de qualquer forma de racismo.

"Acredito na liberdade de expressão mas não na mensagem que os nazis estão a tentar disseminar. Todas as pessoas têm o direito de ser e de existir. Todos temos um papel e Um lugar para estar neste país e no mundo", disse Tony Hess.

Allyson Pokres, outra contra-manifestante, acrescentou: "O racismo e o fascismo não são bons. Isso não é patriótico. Rejeitamo-lo de todo."

No terreno, a polícia acabou por recorrer ao gás lacrimogéneo para dispersar alguns confrontos.

Já em Charlottesville, pequena cidade a menos de 200 quilómetros a sul de Washington, relembraram-se os eventos do ano passado e multiplicaram-se as homenagens a Heather Heyer, morta por um simpatizante neonazista que avançou com o carro na direção de contra-manifestantes e fez também vários feridos.