A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Declaração histórica sobre partilha do Mar Cáspio

Declaração histórica sobre partilha do Mar Cáspio
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Líderes dos cinco estados que partilham o Mar Cáspio, Cazaquistão, Rússia, Irão, Azerbaijão e Turcomenistão assinaram uma declaração histórica determinando o status legal deste mar.

Após a dissolução da União Soviética, as fronteiras marítimas não foram definidas entre os quatro novos estados emergentes e o Irão, criando conflitos entre os cinco países do mar Cáspio.

"Foram precisos mais de 20 anos e de 50 reuniões para preparar a Convenção sobre o Estatuto Jurídico do Mar Cáspio. Agora, os cinco Estados envolvidos unem forças e abrem um novo capítulo de cooperação nos setores dos transportes, comércio, energia e ecologia", adianta o enviado da euronews.

A cimeira de Aktau, no Cazaquistão foi, de facto, um marco na história da partilha do Mar Cáspio. Quatro cimeiras tinha acontecido já e se resultados: em Asgabade, em 2002, em Teerão, em 2007, em Baku, em 2010 e em Astrakhan em 2014.

Na quinta cimeira os chefes de Estado assinaram a Convenção sobre o Estatuto Jurídico do Mar Cáspio, um tratado internacional fundamental baseado no consenso, e no interesse, entre as partes.

Cada uma das cinco nações passa a deter 15 milhas em termos de águas territoriais e 10 milhas náuticas de área de pesca, haverá ainda águas que serão comuns e, portanto, partilhadas.

''Os países que assinaram a convenção acordaram implementar os principais pontos do nosso acordo. O mar Cáspio é um lugar de boa vizinhança e amizade. Todos os estados limítrofes usarão o mar de maneira pacífica e todos os países respeitarão a independência e soberania de cada um deles. No Mar Cáspio, não haverá bases militares de nenhum país estrangeiro', referiu Nursultan Nazarbayev, presidente do país anfitrião.

Para o presidente do Irão, a segurança é uma prioridade. Nunca mencionou os Estados Unidos, mas ficou claro que Hassan Rouhani apontava para Washington quando dizia: "O mar Cáspio pertence apenas aos Estados do mar Cáspio":

"Um dos elementos mais importantes deste acordo é que nenhum exército estrangeiro pode entrar nessa área. Declaramos, claramente, que nenhum exército ou marinha estrangeira pode operar no Mar Cáspio. Ao tomar essa decisão, melhoramos a segurança em toda a região e isso é muito importante para todos nós", adiantou Rouhani.

Além da partilha de fronteiras marítimas, os ministros dos cinco Estados assinaram um acordo intergovernamental sobre cooperação económica e comercial e ao nível dos transportes, mas na sua declaração final, Vladimir Putin optou também por se concentrar na segurança e nas ameaças terroristas:

"A questão da segurança é a mais importante para os países do Mar Cáspio. Precisamos responder às ameaças internacionais que enfrentamos. Temos de lembrar-nos que o Mar Cáspio está perto de zonas de conflitos internacionais, muito próximo de zonas de atividade terrorista, como o Médio Oriente e o Afeganistão", afirmou Putin.

Chegar a acordo não foi fácil e há ainda questões que causam divisão entre os cinco estados. Entre elas está a de como dividir, em termos territoriais, o subsolo rico em hidrocarbonetos. Decisão que foi adiada:

"A questão que criou alguma crispação neste processo, foi a do subsolo porque cada um dos estados do Cáspio ofereceu a sua própria abordagem. Mas a convenção oferece uma fórmula muito conveniente. A delimitação deve ser conduzida pelos países vizinhos", adianta um perito em política internacional, Zhumarek Sarabekov.

Para resolver a questão, os Chefes de Estado instruíram as suas equipas a começarem a redigir e negociar um acordo sobre a metodologia de definição das linhas de base. A próxima Cimeira está agendada para o Turcomenistão em data a ser acordada.

De Aktau para a região de Mangystau e para a cerimónia de abertura do porto multimodal de Kuryk, que faz parte da rede de corredores de transporte internacional. A capacidade de carga do complexo ferroviário, de ferry e automóvel é de mais de 7 milhões de toneladas por ano. A infraestrutura é importante para o crescimento, em termos comerciais, da região banhada pelo Mar Cáspio:

"Nos últimos 5 anos, o Cazaquistão aumentou a capacidade de transporte, através dos portos de Aktau e com o novo porto de Kurik, de 6 milhões para 25 milhões de toneladas por ano. É um grande aumento e o potencial de crescimento é grande. O Cazaquistão, o Mar Cáspio, é um lugar onde se pode fazer negócios, nós fornecemos serviços competitivos", afirmou o presidente da empresa KTZ, Kanat Alpysbayev.

O novo porto é uma infraestrutura importante para o desenvolvimento Cáspio da Nova Rota da Seda, através do Mar Cáspio, um corredor de transporte marítimo entre a Ásia e a Europa.