Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bruxelas critica ameaça italiana no caso Diciotti

Bruxelas critica ameaça italiana no caso Diciotti
Tamanho do texto Aa Aa

A ameaça do governo italiano de suspender pagamentos para o orçamento da União Europeia por causa da questão migratória caiu em saco roto e foi criticada pela Comissão Europeia.

Somos confrontados a toda a hora com soluções técnicas que fazem sentido no papel, mas não há vontade política

Alfred Sant Eurodeputado, centro-esquerda, Malta

O vice-primeiro-ministro italiano, Luigi Di Maio, usou esse trunfo, sexta-feira, para tentar convencer outros países a receber cerca de 150 migrantes a bordo de um navio Diciotti, atracado na Catania.

"Na Europa as ameaças são inúteis, não levam a lugar nenhum. A única maneira de resolver o problema na Europa é trabalhar em conjunto de forma construtiva e com boa vontade. Não se trata da Comissão contra ninguém, são os Estados-Membros que devem encontrar uma solução e, obviamente, a Comissão, como sempre, está lá para ajudar", disse Alexander Winterstein, porta-voz da Comissão Europeia, em conferência de imprensa, sexta-feira, em Bruxelas.

Uma dúzia de países, incluindo Portugal, reuniram-se, em Bruxelas, ao nível de altos funcionários, para discutir novas propostas de gestão da migração do ponto de vista duradouro e não o caso particular do barco Diciotti.

A falta de vontade política é destacada por um eurodeputado socialista de Malta, Alfred Sant: "Somos confrontados a toda a hora com uma série de soluções técnicas que fazem sentido no papel, mas não há vontade e visão política para implementar algo realmente eficaz. Temos muitas propostas técnicas de qualidade mas ficam sempre só no papel".

Muitos países falam na necessidade de solidariedade e redistribuição dos migrantes mas o ministro da Bélgica com esta pasta, Theo Francken, fez questão de frisar que o país não está disponível para esse acolhimento.