EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Migrantes menores desembarcam em Itália

Migrantes menores desembarcam em Itália
Direitos de autor Reuters
Direitos de autor Reuters
De  Teresa Bizarro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jovens e crianças já sairam da embarcação Ubaldo Diciotti. Cerca de 150 adultos continuam a aguardar decisão sobre o futuro

PUBLICIDADE

Ao fim de dois dias de impasse, 27 migrantes menores foram autorizados a sair da embarcação Ubaldo Diciottti, atracada no porto de Catania, em Itália.

Jovens e crianças puderam desembarcar, depois de fortes pressões da opinião pública e do próprio Presidente italiano Sergio Matarella.

No barco permanecem cerca de 150 adultos. O governo de Roma tem insistido que deve ser Malta a receber estes migrantes, porque a embarcação atravessou águas maltesas antes de chegar a Catania. O executivo de La Valleta responde que não acolhe migrantes que expressaram vontade de ir para Itália.

No meio deste impasse, o primeiro-ministro italiano, escolheu o facebook para criticar os parceiros da União Europeia. "O que esperam para intervir de modo a podermos redistribuir os migrantes por vários países?", pergunta Giuseppe Conte.

Na resposta, a Comissão Europeia diz que ainda está a negociar uma solução com os estados-membros, mas anunciou entretanto uma dotaé$ao de mais 9 milhões de euros para que o governo italiano face face ao acolhimento de refugiados.

No cais de Catania, um pequeno grupo de italianos protestou contra a posição do governo italiano: "protejam-se as pessoas, não as fronteiras", lê-se nos cartazes.

O Ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, tem repetido nos últimos meses qie a Itália não voltará a ser "o campo de refugiados da Europa".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas critica ameaça italiana no caso Diciotti

Comissão Europeia promete averiguar uso de fundos no caso Aquarius

Em Monfalcone, Itália, um terço dos residentes é imigrante mas a autarquia é de extrema-direita