Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Estado da União: A cimeira europeia sobre o Brexit e a linguagem corporal

Estado da União: A cimeira europeia sobre o Brexit e a linguagem corporal
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Theresa May na cimeira europeia em Bruxelas.

Não houve amor de nenhum dos lados.

Um beijo foi apenas um beijo. E não foi com certeza um acordo sobre o Brexit.

O Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani mantém a esperança num entendimento.

"Quero ser otimista, mas ontem durante o discurso da Senhora May não houve nenhuma proposta nova, mas a sua linguagem corporal foi no sentido de um trabalho positivo"

E é assim que estamos hoje, num ponto em que até a linguagem corporal é observada de perto numa procura desesperada por progressos.

Olá e bem-vindo ao Estado da União, a partir de Bruxelas.

Mais de dois anos depois do referendo sobre o Brexit, parece que ainda estamos na estaca zero.

A cimeira ao mais alto nível em Bruxelas era suposto ter desbloqueado o impasse nas negociações, mas em vez disso, a única coisa que todos partilharam foi desilusão.

Ou, como disse a chanceler alemã, Angela Merkel: Não estou nem otimista nem pessimista.

E sem acordo sobre o Brexit, estamos a deslizar para uma situação que ninguém quer e que todos temem que seja de um potencial desastre.

Agora que já percebemos o poder da linguagem corporal, aqui está algo que provocou muita discussão nas redes sociais esta semana.

O personagem principal é o Secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo que se reuniu com o principe saudita, em Riade, para saber a verdade sobre o horrível caso do desaparecimento do jornalista saudita Jamal Kashoggi.

Pompeo está a rir-se e aparentemente a passar um tempo agradável.

Não parece que Washington esteja a pressionar muito a Arábia Saudita para obter respostas sobre este caso.

E a questão é simples: Kashoggi entrou no consulado e nunca de lá saiu. Onde está ele?

No entanto, a administração Trump parece mais interessada em dar cobertura aos sauditas que em descobrir a verdade.

E porquê? Talvez porque Trump tem negócios com os sauditas, apesar de ele o ter negado esta semana.

Algo estranho, já que durante a campanha presidencial, Trump até se vangloriou disso.

"A Arábia Saudita e eu damo-nos muito bem. Eles compram-me apartamentos, gastam 40, 50 milhões de dólares, é suposto não gostar deles? Gosto muito deles"

40, 50 milhões, a quem é que isso importa? O facto é que Trump tem uma longa história empresarial de negócios com os sauditas que começou muito antes de se tornar Presidente.

Que passou por vender-lhes o iate numa altura em que não tinha dinheiro, ou mais recentemente quando os sauditas jantaram no seu hotel ou apoiaram a atividade política da sua filha.

Mas, relembro, Trump diz que não tem interesses financeiros com a Arábia Saudita.

E agora mudamos para algo que nada tem a ver com Trump: interferências nas campanhas eleitorais.

Podem ser os russos, podem ser os chineses, pode não ser ninguém.

Numa conferência em Bruxelas, os peritos debateram o próximo nível de manipulação da informação. Chamam-lhe "Deep fake".

E agora vamos conhecer a agenda da próxima semana:

Na segunda-feira, os ministros do ambiente de todo o mundo reúnem-se na Polónia para preparar a próxima Cimeira do Clima das Nações Unidas.

Na quarta, o presidente da Apple, Tim Cook, faz um discurso em Bruxelas na Conferência Europeia de protecção de dados.

E na quinta, os ministros do comércio juntam-se em Ottawa, no Canadá, para debater a reforma da Organização Mundial do Comércio.

Antes de terminarmos, quero regressar à cimeira da União Europeia, mais concretamente às pequenas caravanas que transportam os participantes.

Imaginam um chefe de estado sentar-se ao volante e conduzir a limusina? Ou dar boleia a um colega Presidente?

Bem, só vejo um capaz de o fazer, Vladimir Putin.

E aqui o vemos, a dar boleia ao presidente egipcio Al-Sisi no circuito de fórmula um de Sochi.

Depois de terminarem as conversas, Putin resolveu pegar na limusina à prova de bala e testar-lhe os limites de velocidade na pista, a um ponto que até os seguranças ficaram nervosos em acompanhá-lo.

Só mesmo na Rússia...

E é tudo por hoje. Obrigado por nos ver e tenha uma semana a todo o gás!