Última hora

Última hora

Macron homenageia os mortos de Verdun

Macron homenageia os mortos de Verdun
Tamanho do texto Aa Aa

Verdun, palco da batalha de 1916 que foi decisiva para a vitória dos aliados na I Guerra Mundial, foi o palco da mais recente visita de Emmanuel Macron. O presidente francês está a percorrer os vários campos de batalha da Grande Guerra, para assinalar os cem anos do armistício.

Simbolicamente, reacendeu a chama, batizada "chama da memória", no ossário de Verdun onde repousam os restos mortais de inúmeros soldados que perderam aqui a vida. A batalha matou cerca de 362 mil franceses e 337 mil alemães.

Este é um lugar que carrega a simbologia não só da vitória, como também da reconciliação: "O monsenhor Ginisty, que era na altura bispo de Verdun, recolheu todas as ossadas, sem distinção de nacionalidade. Os franceses e os alemães estão unidos na morte. É o primeiro lugar de reconciliação. Desde que a I Guerra Mundial acabou, os alemães vêm aqui prestar homenagem, tal como os franceses", explicou a Macron ou guia que o acompanhou.

Verdun foi a mais sangrenta, mas também a mais longa batalha da Primeira Guerra Mundial: Durou 10 meses, de fevereiro a dezembro de 1916.