Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Theresa May não recua e insiste que acordo Brexit é para avançar

Theresa May não recua e insiste que acordo Brexit é para avançar
Tamanho do texto Aa Aa

Theresa May não desiste do acordo Brexit. Para a primeira-ministra britânica, "alcançar um bom acordo para o Reino Unido é alcançar um bom acordo para a União Europeia".

May dirigiu-se aos jornalistas após um dia caótico, com uma onda de demissões no seu executivo e uma receção hostil na Câmara dos Comuns, e deixou bem claro que não se desvia do seu rumo:

"Acredito profundamente que o caminho que tracei é o melhor para o país e para o povo britânico. Desde o início que quero assegurar-me que a vontade manifestada pela população no referendo é respeitada. É exatamente isso que este acordo nos garante: o fim da circulação livre, o fim dos pagamentos avultados à União Europeia, o fim da jurisdição do Tribunal Europeu, o fim da Política Agrícola Comum, o fim da Política Comum de Pescas... Este é um acordo para o Brexit que reflete as prioridades da população britânica."

Os críticos acusam May de estar em negação, mas para a primeira-ministra britânica não existe outra opção:

"Ninguém apresentou uma alternativa capaz de respeitar o resultado do referendo e ao mesmo tempo garantir que não existe uma fronteira física entre Irlanda do Norte e Irlanda. Compreendo que algumas pessoas sintam desconforto com os detalhes da salvaguarda, particularmente com a necessidade de consenso para a denunciar. Mas não podemos escapar de um facto: não pode existir acordo sem a salvaguarda a agir como uma apólice de seguro contra o regresso às fronteiras do passado."

O chumbo provável no parlamento lança dúvidas sobre o futuro. Os defensores de um novo referendo parecem ter ganho força nas últimas horas mas Theresa May recusa regressar ao passado e começar tudo de novo:

"No que me diz respeito, não haverá um segundo referendo. Perguntámos às pessoas o que pensavam e disseram que devíamos deixar a União Europeia. É o que vamos fazer a 29 de março de 2019."