Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Berlim destaca Merz e Kramp-Karrenbauer na sucessão de Merkel na CDU

Berlim destaca Merz e Kramp-Karrenbauer na sucessão de Merkel na CDU
Tamanho do texto Aa Aa

Friedrich Merz e Annegret Kramp-Karenbauer parecem estar na frente de uma corrida a três pela sucessão de Angela Merkel à frente da União Democrática Cristã (CDU, a na sigla original).

A maior força política alemã encerrou esta sexta-feira, em Berlim, uma série de oito congressos regionais onde os três candidatos apresentaram os respetivos projetos para o futuro do partido e, por conseguinte, do país e da Europa.

A escolha está marcada para o Congresso de Hamburgo, marcado para 07 e 08 de dezembro.

A Euronews esteve presente neste derradeiro congresso regional da CDU e ouviu a opinião de alguns militantes sobre os candidatos.

Para Sebastian Knöckel, o regressado Friedrich Merz "tem vindo a mostrar dinamismo há já muito tempo".

"É um candidato que defende a mudança, é criativo, entende o que está em jogo e também defende uma reforma económica que sempre quisemos iniciar mas que não estava a acontecer com Merkel", explicou.

Anna Dentler tem preferência por Annegret Kramp-Karrenbauer.

"Já a vi em diversos eventos e penso que é sempre muito clara quanto ao futuro. Ela tem uma visão para a Alemanha e não me parece que isso aconteça com Merz, que não tem estado muito ativo nos últimos 15 anos. Espero que Kramp-Karrenbauer vença", desejou.

A correr por fora parece estar Jens Spahn, o atual ministro da Saúde e o mais jovem de entre os três candidatos a liderança do partido.

O enviado especial da Euronews ao Congresso da CDU em Berlim ouviu "o mais longo aplauso da noite para Friedrich Merz" e ficou com a ideia de ser este "o preferido de muitos dos militantes de Berlim."

"Só que não vão ser necessariamente os militantes do partido a escolher o novo líder. Serão os 1001 delegados presentes no congresso do partido em Hamburgo e eles poderão não votar da forma que as bases do partido desejam", avisa Jona Kallgren.