Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Pedro Abrunhosa: "Como se pode decretar que alguém é ilegal?"

Carla Bruni é uma das convidadas de Pedro Abrunhosa em "Espiritual"
Carla Bruni é uma das convidadas de Pedro Abrunhosa em "Espiritual" -
Direitos de autor
Pedro Abrunhosa DR
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pedro Abrunhosa concedeu uma entrevista exclusiva à Euronews para desconstruir o mais recente álbum. "Espiritual" chega às lojas neste último dia de novembro e assume-se, nas palavras do artista português, como "um mergulho mais profundo numa altura transitória em que se confunde conteúdos com informação."

"Há uma realidade de refugiados que cruza o mundo. É transversal. Desde o Médio Oriente à fronteira mexicana"

Pedro Abrunhosa Mújsico autor de "Espiritual"

O primeiro single, "Amor em Tempo de Muros", é uma parceria com a mexicana Lila Downs. Abrunhosa defende que embora atravessemos um "tempo de muros que outros nos impõem, na realidade podemos viver em tempos de amor."

"Estes dois mundos coexistem e nós fazemos parte deles. É preciso é escolher de que lado se está. O pior que se pode fazer não é não saber que isto está a acontecer, é fazer de conta que não se sabe", diz o autor de "Espiritual", que se volta a rodear pelos Comité Caviar.

Uma realidade transversal

A escolha de Lila Downs é explicada pela vontade do músico em ter "uma voz em espanhol para fazer a música, alguém daquela zona e que fosse emblemático".

"A Lila Downs está muito envolvida na questão da fronteira e da migração, portanto ela representa aquele universo", justifica Abrunhosa.

O artista juntou neste "Espiritual" um rol de convidados de diferentes origens: uma mexicana Lila Downs), uma norte-americana (Lucinda Williams), um brasileiro (Ney Matogrosso) e três cantoras europeias (Carla Bruni, Ana Moura e Elisa Rodrigues).

A mensagem subliminar de Abrunhosa para esta diversidade geográfica relaciona-se com os focos dispersos da atual crise de refugiados.

"Neste momento, há uma realidade de refugiados que cruza o mundo. É transversal. Desde o Médio Oriente à África subsariana, desde o Oriente, com os Rohyngia, a esta tremenda questão que é a fronteira mexicana com os Estados unidos que acaba por servir como peneira de toda a fome, guerra, ódio e desamor que existe no sul. Era uma realidade que se adivinhava. 'Amor em Tempo de Muros' é uma forma de dizer que há quem se preocupe e que essa questão diz respeito a todos nós", assume.

Para Abrunhosa, "não se percebe como é que se pode construir um muro para impedir alguém de alcançar a felicidade". "Como é que se pode sequer decretar que alguém é ilegal. Eu não entendo isso. O conceito de ilegal não faz parte do vocabulário de Humanidade", defende.

O toque francês

A adesão de Carla Bruni ao projeto foi "imediato" revela-nos o músico português. "Mandei a canção e imediatamente houve adesão. É sempre preciso muita ginástica logística, mas a adesão foi pronta", garante.

O dia de gravação de "Balada Descendente" com a francesa, em Paris, também "foi curioso", na ótica do português.

"Carla Bruni estava a chegar do desfile do Dolce & Gabbana, em Milão, e houve uma transmutação da personagem. Ela vinha de uma função e entregou-se literalmente às mãos do produtor -- eu, neste caso. Muito generosamente, ainda com muito 'jet lag', ela fez a canção com uma leveza e uma rapidez muito grandes, deixando-se trabalhar na voz e na postura", revelou.

O álbum surge como "exatamente o oposto" da "época de entretenimento em que vivemos", e daí o nome "Espiritual".

"É viver as coisas pela essência e a bondade, e não pela aparência. Parece-me que estamos a correr um risco voraz de nos mostrarmos pelo que temos e não pelo que somos. E isto não é uma frase feita, é de facto assim", afirma Pedro Abrunhosa.

A canção do diabo

A Euronews escutou o novo álbum de Abrunhosa com atenção antes da entrevista e no meio das 15 canções incluídas em "Espiritual" existe uma que destoa da temática do amor, a número 12. Perguntámos ao músico, quem "É o Diabo"?

"É um personagem que entrou na história portuguesa pela porta dos fundos. Revela esta realidades que infelizmente grassam no mundo que são a corrupção e o uso indevido de dinheiros públicos. É uma canção que não consegui deixar de escrever. 'Eu sou dono disto tudo, sou um diabo de veludo'. É muito difícil não querer ironizar com estes diabos que andam por aí à solta", explica-nos Abrunhosa.

"Espiritual" surge como um contraponto aos tempos atuais, à "afirmação pelo carro, pela posse, pelas férias, pela 'selfie' e pela desatenção à formação interior e aos nossos valores profundos.

"Nesses valores incluo o respeito, não só pelo o outro, mas pelo conhecimento e pelo saber. É um mergulho mais profundo numa altura transitória em que se confunde conteúdos com informação", concretiza.

Os concertos confirmados

Pedro Abrunhosa tem apenas cinco concertos de promoção a "Espiritual" confirmados na respetiva páginal oficial na internet, todos em território português e com destaque para o espetáculo no Porto na noite de Passagem de Ano.

A 13 e 14 de dezembro, o músico apresenta-se no teatro José Lúcio da Silva, em Leiria. A 12 de janeiro, Abrunhosa sobe ao palco no Teatro Virgínia, de Torres Novas, e ainda antes de fevereiro, a 26, o portuense atua no Teatro Pax Julia, em Beja.

"Espiritual" pode ser escutado na íntegra nas plataformas digitais Spotify e Apple Music.

Informação oficial de Pedro Abrunhosa: