Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Protestos dos "coletes amarelos" em Paris

Protestos dos "coletes amarelos" em Paris
Direitos de autor
REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

A tensão cresce em Paris. Cerca de oito mil coletes amarelos permanecem nas ruas em protesto. Manifestantes e polícia medem forças. À medida que as manifestações se intensificam com pedras atiradas às autoridades, a polícia vai respondendo com gás lacrimogéneo.

Na capital francesa, mais de 500 pessoas foram detidas, este sábado. Outras seis centenas foram identificadas pelas autoridades. Em todo o país, 125 mil pessoas manifestaram-se nas ruas, 118 ficaram feridas e 1385 foram interpeladas pelas autoridades.

É o quarto sábado de mobilização do movimento dos "coletes amarelos". Os Campos Elísios, em Paris, estão em estado de sítio. Os protestos contra o aumento dos impostos sobre os combustíveis geraram uma grande crise social.

O governo francês viu-se obrigado a reforçar os meios policiais nas ruas, para evitar episódios de violência, como os que aconteceram na semana passada. O Governo liderado por Édouard Philippe enviou aproximadamente 8 mil polícias para as ruas de Paris. Em todo o país contam-se 90 mil agentes.

  • O número de manifestantes continua a aumentar nos Campos Elísios - o principal ponto das manifestações das últimas semanas.

  • Existem relatos da utilização de gás lacrimogéneo por parte da polícia. Os "coletes amarelos" não cedem e dizem que os protestos só terminam com a mudança das políticas.

  • O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, apela à calma e agradece o empenho das forças de segurança.

  • Na Avenida dos Campos Elísios, os estabelecimentos comerciais estão todos encerrados. Uma medida das autoridades para evitar danos materiais. A Torre Eiffel, o Museu do Louvre, o Museu d’Orsay ou a Ópera de Paris também fecharam portas por precaução.

  • O movimento começou contra o aumento das taxas dos combustíveis mais foi ganhando outras proporções. O Presidente francês, Emmanuel Macron, acreditou que esta seria a solução para seguir em frente com a sua política de transição energética e com a aposta numa economia mais consciente e amiga do ambiente. Na semana passada, Macron cedeu, mas a contestação continua e ganha novas motivações. Os coletes amarelos aumentam a pressão sobre o executivo e queixam-se do nível salarial praticado no país.

  • França está em ebulição e a popularidade do Presidente Emmanuel Macron está em sentido descendente - cerca de 30%. O fenómeno de protesto, com origem nas redes sociais, pretende revelar-se perigoso para o chefe de Estado francês. Os "coletes amarelos" pedem a demissão de Emmanuel Macron.