Austrália reconhece Jerusalém-Ocidental como capital de Israel

Austrália reconhece Jerusalém-Ocidental como capital de Israel
Direitos de autor  AAP Image/Mick Tsikas via REUTERS
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Austrália reconhece Jerusalém-Ocidental como capital de Israel, mas só mudará a embaixada após um acordo de paz entre israelitas e palestinianos.

PUBLICIDADE

A Austrália reconhece Jerusalém-Ocidental como capital de Israel. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, Scott Morrison, este sábado. O chefe do governo anunciou, no entanto, que a embaixada do país só mudará para a cidade santa quando houver um acordo de paz.

"A Austrália agora reconhece que Jerusalém-Ocidental, sendo a sede do Knesset - parlamento israelita - e de muitas das instituições do governo, é a capital de Israel. Jerusalém-Ocidental é a capital de Israel. E estamos ansiosos para mudar a nossa embaixada para Jerusalém-Ocidental assim que possível, mas só após um estatuto final de determinação".

O governo australiano mostra-se também pronto a reconhecer a parte Leste de Jerusalém como capital de um futuro estado palestiniano.

O estatuto de Jerusalém, num futuro contexto de dois estados, tem sido um dos principais pontos de discórdia entre israelitas e palestinianos em todas as tentativas de acordos de paz.

Donald Trump abriu a caixa de Pandora do estatuto de Jerusalém ao anunciar em dezembro de 2017 o reconhecimento por parte dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel e ao inaugurar em maio de 2018 a embaixada americana na cidade santa.

A decisão do governo australiano cai nas boas graças de Washington, mas arrisca-se a contribuir para o aumento da tensão na região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hungria cria unidade consular em Jerusalém

Tribunal australiano decide contra Moscovo em disputa por terreno para embaixada russa

Israel retira-se de Khan Younis e volta a bombardear sul da Faixa de Gaza