Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Dívida italiana é bomba-relógio para os bancos europeus

Dívida italiana é bomba-relógio para os bancos europeus
Direitos de autor
REUTERS/Stefano Rellandini
Tamanho do texto Aa Aa

Uma semana depois de Itália ter anunciado entrar em recessão, os bancos europeus estão preocupados com a dívida do país. Ao atingir o bilião e meio de euros. é considerada a maior concentração de dívida pública de toda a Europa. Uma bomba-relógio que pode rebentar nas mãos de um punhado de bancos, sobretudo italianos, como é o caso do Monte dei Paschi di Siena, que se prepara para vender a sede histórica e outros edifícios, para conseguir 600 milhões de euros.

Altamente expostos à dívida de Itália estão também os bancos franceses, a quem a Itália deve mais de 285 mil milhões de euros. Embora a uma escala mais pequena, os bancos de países como Alemanha, Bélgica, Reino Unido e Espanha.

Um refinanciamento da dívida italiana pode esgotar, em apenas um ano, a capacidade do Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira, que é de 410 mil milhões de euros. Para continuar a ter liquidez, o Estado italiano precisaria de vender mais de 400 mil milhões de euros anuais em dívida.

Na última crise financeira, o Banco Central Europeu, liderado por Mario Draghi, garantiu liquidez no mercado, mas Draghi termina o mandato este ano e não se sabe qual será a linha da próxima direção do BCE.