Última hora

Última hora

Partidos do PPE querem expulsão de Orbán da família política

Partidos do PPE querem expulsão de Orbán da família política
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar das criticas às políticas de Viktor Orbán e do Fidesz, em novembro, na reunião do Partido Popular Europeu, em Helsínquia, ainda parecia haver uma certa normalidade na família política. Mas os cartazes que o Fidesz espalhou pela Hungria, foram a gota de água que fez transbordar o copo.

Neles, o partido do primeiro-ministro húngaro ataca pessoalmente o Presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, que é também o líder do Partido Popular Europeu.

O eurodeputado dos Verdes, Philippe LAMBERTS, estranha que só agora os restantes membros do PPE reajam.

"É só porque ele insulta Jean-Claude Juncker? Quando olho para a viragem para a extrema-direita de Viktor Orbán, houve sinais graves antes. E o PPE queria manter a ilusão de que ele pertencia à família. Espero que mesmo para as alas mais à direita do PPE, isto seja suficiente".

Viktor Orbán já disse que o Fidesz não vai sair do PPE, se quiserem, que o expulsem. O primeiro-ministro húngaro quer manter-se no maior grupo do Parlamento Europeu e estar no clube dos decisores políticos, ao qual pertence, por exemplo, a chanceler alemã Angela Merkel.

Mas o Fidesz também é importante para o Partido Popular Europeu. Sem os 12 eurodeputados eleitos pelo maior partido húngaro, e com a perspetiva de serem ainda mais após as próximas eleições de maio, a dimensão do PPE pode ficar bastante reduzida no próximo mandato.

O eurodeputado belga Tom Vandenkendelaere, do grupo parlamentar do Partido Popular Europeu, diz que foram dadas todas as hipóteses a Orbán de corrigir as suas políticas.

"Demos tempo suficiente ao Fidesz para corrigir o seu comportamento e as suas posições, mas é claro que não quer corrigir a sua posição e é por isso que pedimos a expulsão do Fidesz do Partido Popular Europeu."

Se o Fidesz for expulso do PPE, poderá ser uma grande derrota para Viktor Orbán. O partido ficará mais isolado e, sem o escudo protetor do maior grupo parlamentar europeu, as ações disciplinares já em curso contra a Hungria deverão ganhar velocidade.

O Fidesz irá provavelmente juntar-se aos Eurocéticos o que poderá levar a que defenda políticas ainda mais extremistas.