A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

EUA querem secar exportações de petróleo do Irão

EUA querem secar exportações de petróleo do Irão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O governo dos EUA anunciou esta segunda-feira o fim das isenções ainda existentes para a compra de petróleo iraniano, de forma a impedir totalmente as exportações desde esse país árabe sob sanções norte-americanas.

A partir de maio, os oito países que estavam sob um regime de isenção de compra de petróleo iraniano deixarão de poder fazer negócio com Teerão, permitindo um boicote a 100% às exportações petrolíferas do Irão, segundo um comunicado hoje emitido desde a Casa Branca.

Itália, Grécia e Taiwan já tinham parado de comprar, agora é a vez de China, Japão, Turquia, Coreia do Sul e Índia, com Washington a deixar um novo aviso através do Secretário de Estado, Mike Pompeo.

"Continuaremos a aplicar sanções e a monitorizar o cumprimento da medida. Qualquer nação ou entidade que interaja com o Irão deve tomar providências e agir com cautela. Os riscos simplesmente não vão valer os benefícios", afirmou o governante americano aos jornalistas, salientando posteriormente no Twitter que a "pressão máxima" dos EUA sobre o regime iraniano é para continuar.

Mike Pompeo não esclareceu por agora se os países visados vão ter algum período extra para encerrar as negociações ou se a proibição de compra será já efetiva após 03 de maio. Caso algum dos países desrespeite o fim das isenções, fica sujeito a sanções de Washington.

As sanções americanas começaram em meados de 2018, depois de Donald Trump ter decidido retirar o país do Acordo nuclear de 2015 com o Irão.