Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O caminho do fim do acordo nuclear iraniano

O caminho do fim do acordo nuclear iraniano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Aos olhos dos Estados Unidos, em três anos, o plano de acção conjunto assinada pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, Alemanha, União Europeia e Irão passou de vitória internacional da diplomacia a um acordo para rasgar sem pudor.

O chamado acordo nuclear iraniano pretendia controlar as ambições de Teerão quando à produção de armamento nuclear. A chefe da diplomacia europeia não poupou nos elogios quando anunciou o entendimento ao fim de anos de negociações. Nas palavras de Federica Mogherini, tinha-se alcançado o que o mundo desejava "com coragem, vontade política, respeito mútuo e liderança", classificando o acordo como "um compromisso conjunto pela paz, de mãos dadas para tornar o mundo mais seguro."

Pontos fortes do acordo:

  • Limite para as reservas de urânio enriquecido, material usado para produzir combustível para reatores, mas também armas nucleares;
  • Fim da produção de plutónio com a utilização de reatores de águas pesadas;
  • Autorização para a visita dos inspectores da Agência de Energia Atómica Internacional;
  • Levantamento das sanções.

O acordo foi reforçado posteriormente com uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, mas nem isso impediu, no ano passado, que o Presidente dos Estados Unidos fizesse letra morta do compromisso. "O facto é que isto foi um horrível acordo unilateral que nunca devia ter sido feito. Não trouxe calma, não trouxe paz e nunca vai trazer," afirmou Donald Trump.

O chefe de Estado norte-americano restabeleceu todas as sanções e, no mês passado, recusou prolongar as medidas que permitiam que alguns países pudessem comprar petróleo ao Irão.

Na escalada de pressão sobre o governo iraniano, Washington enviou um porta-aviões para o Médio Oriente ao mesmo tempo que acusava Teerão de destabilizar a região.

A União Europeia assumiu-se como guardiã do acordo, lutando para que continuasse a ser respeitado e estimulando o comércio entre os signatários, mas foi esbarrando com cada vez mais dificuldades, agravadas pelas sanções norte-americanas.

O Irão foi dando sinais de descontentamento com a falta de resultados das acções de Bruxelas e procurou na Rússia um aliado para entrentar uma nova fase, sem acordo internacional de regulação nuclear.

Ao longo de todo o processo, a Agência Internacional de Energia Atómica, publicou vários relatórioa. Todos dando conta de que o Irão estava a cumprir o acordado em 2015.