Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Controvérsia no concurso para a 4ª operadora de redes móveis de Angola

Controvérsia no concurso para a 4ª operadora de redes móveis de Angola
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um concurso controverso. A anulação presidencial do resultado do concurso internacional para o 4º operador de redes móveis em Angola desautorizou o ministro das telecomunicações, José Carvalho da Rocha.

A Telstar, uma empresa com um capital social de cerca de 550 euros, detida em 90% pelo general Manuel João Carneiro, foi criada há pouco mais de um ano. Durante o concurso, uma das maiores empresas de telecomunicações de África, a MTN, desistiu alegando que o concurso estava viciado.

Já depois de declarada vitória da Telstar, que investiu 120 mil dólares para adquirir o caderno de encargos, o ministro garantiu que não seria possível fazer o que o Presidente depois fez... a anulação.

Uma nota da Casa Civil do Presidente da República o incumprimento na exigência relativa ao balanço e demonstrações de resultados e declaração sobre o volume global de negócios dos últimos três anos.

A repetição do concurso para uma nova operadora poderá agitar a concorrência e a competitividade num setor em que a Unitel de Isabel dos Santos e do General Leopoldino Do Nascimento, domina com mais de 75% da cota de mercado, contra os 25% da Movicel.

Entre muitos angolanos parece não existirem grandes dúvidas de que anulação do concurso foi justificada.

No concurso agora anulado, 18 empresas estiveram interessadas, 6 adquiriram o caderno de encargos e duas chegaram à fase final.