Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Boris Johnson lança campanha para suceder a Theresa May

Boris Johnson lança campanha para suceder a Theresa May
Tamanho do texto Aa Aa

No Reino Unido os possíveis candidatos à sucessão da antiga primeira-ministra Theresa May continuam a lançar as campanhas respetivas para a liderança dos conservadores.

Aguardado com ansiedade, e já apontado como favorito, o antigo ministro britânico dos negócios estrangeiros Boris Johnson lançou esta quarta-feira o seu manifesto.

Tal como outros candidatos, Johnson comprometeu-se a sair da União Europeia no dia 31 de outubro mesmo se isso impicar ausência de acordo.

"Após três anos e dois prazos falhados temos de sair da UE no dia 31 de outubro.
E temos que ter algo melhor do que o acordo de saída atual que por três vezes foi rejeitado no parlamento. Deixem-me ser claro, não quero ausência de acordo mas não penso que a situação acabe aí. No entanto, é apenas responsável prepararmo-nos para tal" disse Johnson no discurso de lançamento da campanha.

O antigo chefe da diplomacia britânica acredita que pode forçar Bruxelas a renegociar. No entanto, Johnson deixou no ar um aviso, o insucesso poderá abrir a porta a um governo trabalhista.

"É preciso estarmos preparados e mostrar coragem, só assim é que Bruxelas acreditará que falamos a sério e nos dará o que queremos. Eles também não querem ausência de acordo e nós não obteremos resultados se dermos a impressão de que queremos continuar a adiar este processo. Adiamento significa derrota. Adiamento significa Corbyn. Adiar significa o fim dos conservadores", rematou Johnson.

Interrogado pelos jornalistas, Johnson não respondeu se se demitiria se em novembro o Reino Unido ainda fizesse parte da União Europeia.

Johnson evitou ainda responder a questões relacionadas com o uso de drogas no passado, um tema que tem alimentado uma campanha que se prevê cerrada.

No total, perfilam-se dez candidatos à sucessão de Theresa May.

O resultado final só será conhecido no final de julho depois dos cerca de 160 mil membros do Partido Conservador se terem pronunciado através de um voto postal.

Seja quem for, o próximo inquilino do número 10 de Downing Street terá pela frente o desafio de unir não apenas o parlamento mas também o país.