Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A Bioeconomia na Europa

A Bioeconomia na Europa
Tamanho do texto Aa Aa

Dos novos materiais biológicos até às energias mais limpas, as tecnologias inovadoras serão fundamentais para reduzir a dependência dos combustíveis fósseis e para a sustentabilidade.

O Business Planet veio a Turku, na Finlândia, para investigar o universo da bioeconomia da Europa. Vamos ver como estas as empresas podem fazer diferença no futuro e como podem crescer.

Localizada nos arredores de Turku, a missão da MetGen é conseguir o melhor da madeira. A empresa produz enzimas industriais altamente activas - catalisadores naturais que aceleram as reacções químicas. São vitais para a indústria. Poupam tempo, energia e dinheiro.

Alex Michine é Diretor Executivo da METGEN.

"As nossas enzimas suportam condições industriais adversas para que as empresas consigam extrair o máximo da biomassa. Desde a fabricação de papel e celulose até a fabricação de pneus".

Ao misturar as enzimas com lenhina, o material das árvores que dá resitência à madeira, a MetGen também pode fabricar produtos mais ecológicos.

O objetivo é conseguir que a madeira e outros materiais biológicos sejam utilizados para criar produtos mais sustentáveis - substituindo plásticos, fertilizantes e combustíveis fósseis.

Não é uma surpresa, o facto da bioeconomia ser prioridade máxima para a União Europeia, que já injectou quase 4 mil milhões de euros - um número que deve aumentar para os 10 mil milhões nos próximos anos.

Alex Michine:_ "O apoio financeiro ajudou a nossa empresa a crescer da fase de arranque para uma PME totalmente comercial. Mas o mais importante é ter acesso a uma rede de colaboração, incluindo agentes industriais, para compreender o que os consumidores querem" (...) _Queremos ser parte integrante da bioeconomia circular europeia. E acreditamos que tudo o que pode ser feito a partir do petróleo pode ser feito a partir da madeira".

Johanna Buchert é a Presidente e CEO do Instituto de Recursos Naturais da Finlândia (LUKE).

O Business Planet falou com esta especialista para obter mais informações sobre a bioeconomia e o BBI-JU, uma organização criada pela União Europeia.

Euronews: O que é a Bio-based Industries Joint-Undertaking e como funciona?

Johanna Buchert: A BBI-JU financia a investigação. É um instrumento da UE, uma parceria público-privada, na qual a indústria paga a maior parte. O valor restante é suportado pelo programa Horizon da UE.

Euronews: Se uma PME quiser obter financiamento da BBI-JU, o que deve fazer?

Johanna Buchert: Deve associar-se a institutos de pesquisa e universidades onde as ideias de pesquisa estão a nascer e, em seguida, juntamente com os institutos, pesquisar as oportunidades da Bio-Based Industries Joint Undertaking.

Mas é muito importante pesquisar a rede de contactos nesta área. Há uma série de oportunidades em que é possível interagir com diferentes partes interessadas na cadeia de valor: empresas industriais, institutos de pesquisa, universidades. E é lá que é possível gerar contactos.

Euronews: Há oportunidades para as pequenas empresas?

Johanna Buchert: Há grandes oportunidades porque obtêm financiamento da UE para desenvolverem os seus próprios produtos em grande escala e também para os criarem em conjunto com estes utilizadores finais. Penso que é muito importante investir na investigação, mas também é muito importante que os utilizadores finais estejam envolvidos

É aqui que o BBI Joint-Undertaking é o protagonista principal. A indústria tem estado a criar a agenda das necessidades de investigação e a investigação está a responder a essas necessidades. Penso que é desta forma que impulsionamos a indústria na Europa.

O que é a Bioeconomia?

• Num mundo de recursos biológicos finitos, precisamos de inovação para tornar a nossa economia mais sustentável e reduzir a dependência dos combustíveis fósseis.

• A bioeconomia pode transformar algas em combustível, reciclar plástico, desenvolver materiais plásticos biodegradáveis, converter resíduos em móveis ou transformar subprodutos industriais em fertilizantes de base biológica.

• Trata-se de um dos maiores e mais importantes setores da UE, que já representa 8 % da mão de obra da UE. Tem potencial para gerar 1 milhão de empregos verdes até 2030.

Links úteis:

Bioeconomy https://ec.europa.eu/research/bioeconomy/index.cfm

Biotechnology http://ec.europa.eu/growth/sectors/biotechnology\_en

Bio-based industries https://www.bbi-europe.eu/