A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

ONG pedem ação urgente para resolver a crise dos refugiados

ONG pedem ação urgente para resolver a crise dos refugiados
Direitos de autor
رويترز
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A crise dos refugiados tem entrada garantida nos manuais de história, antropologia e sociologia. Empurrados pelo clima, pela guerra; perseguidos pelas ideias políticas ou pelas práticas religiosas, milhões de pessoas são obrigadas a fugir em todo o mundo. Metade são crianças.

Jan Egeland, Secretärio-geral do Conselho Norueguês para os Refugiados, diz que existem agora mais de 70 milhões de refugiados e deslocados em todo o mundo. "Não tinhamos números destes desde a segunda guerra mundial. É um alarme para os líderes mundiais," afirma acrescentando que são os países menos ricos da Europa que estão a aguentar o peso da crise migratória. Para Egeland, o facto desmente "a ideia de que estamos a ser invadidos por refugiados. A realidade não podia ser mais distante disso. A maior parte dos países europeus não tem refugiados ou deslocados."

O fluxo de refugiados atingiu máximos em 2015. A resposta europeia, liderada pela Alemanha de Merkel foi irregular e afetada pelas divergências internas. Nora Hofstetter, coordenadora regional da Seawatch, lembra que "a imigração sempre fez parte da sociedade. O ser humano é migrante e não vai parar agora. Por isso, a ideia de conseguir isolar a Europa enquanto o mundo vive uma catástrofe climática, num mundo tão desigual, simplesmente não funciona".

A entrada de imigrantes na Europa pode ter diminuido nos últimos anos, mas a chegada massificada em 2015 teve um impacto que ainda não foi ultrapassado. A União Europeia mantém-se como há quatro anos: profundamente dividida.