Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

ONG pedem ação urgente para resolver a crise dos refugiados

ONG pedem ação urgente para resolver a crise dos refugiados
Direitos de autor
رويترز
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A crise dos refugiados tem entrada garantida nos manuais de história, antropologia e sociologia. Empurrados pelo clima, pela guerra; perseguidos pelas ideias políticas ou pelas práticas religiosas, milhões de pessoas são obrigadas a fugir em todo o mundo. Metade são crianças.

Jan Egeland, Secretärio-geral do Conselho Norueguês para os Refugiados, diz que existem agora mais de 70 milhões de refugiados e deslocados em todo o mundo. "Não tinhamos números destes desde a segunda guerra mundial. É um alarme para os líderes mundiais," afirma acrescentando que são os países menos ricos da Europa que estão a aguentar o peso da crise migratória. Para Egeland, o facto desmente "a ideia de que estamos a ser invadidos por refugiados. A realidade não podia ser mais distante disso. A maior parte dos países europeus não tem refugiados ou deslocados."

O fluxo de refugiados atingiu máximos em 2015. A resposta europeia, liderada pela Alemanha de Merkel foi irregular e afetada pelas divergências internas. Nora Hofstetter, coordenadora regional da Seawatch, lembra que "a imigração sempre fez parte da sociedade. O ser humano é migrante e não vai parar agora. Por isso, a ideia de conseguir isolar a Europa enquanto o mundo vive uma catástrofe climática, num mundo tão desigual, simplesmente não funciona".

A entrada de imigrantes na Europa pode ter diminuido nos últimos anos, mas a chegada massificada em 2015 teve um impacto que ainda não foi ultrapassado. A União Europeia mantém-se como há quatro anos: profundamente dividida.