Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Sindicato apresenta queixa por "lista negra" de jornalistas turcos

Sindicato apresenta queixa por "lista negra" de jornalistas turcos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União de Jornalistas Turcos (sindicato) anunciou que que vai apresentar uma queixa criminal contra a Fundação para Pesquisa Política, Económica e Social por causa de um relatório, divulgado sexta-feira passada, que cria uma espécie de "lista negra" de jornalistas turcos que trabalham com a imprensa internacional.

Essa fundação é um centro de estudos considerado próximo do governo e o relatório de 200 páginas avalia a cobertura jornalística sobre a Turquia feita por jornalistas do país que trabalham para serviços de imprensa internacional, incluindo a Euronews, a BBC, a Deutsche Welle e Voice of America.

O relatório, intitulado "Extensões da imprensa internacional na Turquia", alega que os jornalistas usam "linguagem antigoverno" e têm posicionamentos "tendenciosos" sobre temas como a detenção de alegados conspiradores, a situação económica e a repressão após o golpe de Estado falhado de 15 de julho de 2016.

"União Europeia está extremamente preocupada"

Questionada sobre o relatório, a porta-voz da Comissão Europeia, Maja Kocijancic ,expressou a preocupação do executivo europeu: "As liberdades de expressão e de imprensa são fundamentais para o funcionamento da democracia. A União Europeia está extremamente preocupada com a persistente erosão de ambas na Turquia, nos últimos anos".

A porta-voz acrescentou que o tema foi abordado num relatório anual sobre a Turquia, divulgado há seis semanas, no qual a Comissão Europeia critica o grande número de jornalistas presos.

A organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras coloca a Turquia em 157 lugar entre os 180 países avaliados no seu Índice de Liberdade de Imprensa.

Por seu lado, o secretário-geral adjunto da Federação Internacional de Jornalistas, Jeremy Dear, disse que o relatório é "totalmente inaceitável". "É a continuação de uma política para silenciar a imprensa independente e acabar com o jornalismo independente", acrescentou.