Última hora

Sanções dos EUA afetam famílias iranianas

Sanções dos EUA afetam famílias iranianas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A família de Younes de 7 anos diz que ela é uma vítima indireta das sanções dos Estados Unidos contra o Irão. O menino tem uma doença genética rara chamada adrenoleucodistrofia, também conhecida por ALD. Há um ano que os médicos disseram que necessita de um transplante de medula óssea, mas não foi possível efetuar os testes, por causas das restrições relacionadas com as sanções.

"Uma das coisas que era necessária para o transplante era um teste chamado HLA. O teste primário podia ser feito aqui no Irão, mas o final o HLA de alta resolução tinha de ser feito na Alemanha. Quando chegámos à altura de fazer o teste e de enviar as amostras para a Alemanha, as sanções tinham atingido o auge e a DHL tinha suspendido todas as atividades no Irão. Como as amostras tinham de ser enviadas mediante protocolos específicos, não foi possível usar o correio normal ou pedir a uma pessoa para as transportar", explica o tio da criança, Mohamad Hasani.

"Os Estados Unidos insistem que bens humanitários, como medicamentos, estão isentos das sanções que impôs ao Irão. Mas as restrições ao comércio e o facto de as insitutuições financeiras não quererem processar transações com o país, têm posto em perigo milhares de vidas", realça a correspondente da Euronews em Teerão, Anelise Borges.

"As sanções envolvem as sanções dos bancos e como tal não conseguimos comprar muitos instrumentos. Somos, na verdade, o setor mais afetado. Acho que isto é verdadeiramente um crime", diz Reza Malekzadeh, médico e ex-ministro iraniano da Saúde, entre 1991 e 1993.

"Não podemos culpar ninguém, mas aqueles que dizem que as sanções não têm efeito nas pessoas comuns e que apenas afetam o Governo, deviam ver isto", afirma o tio de Younes.

Um ano depois de os médicos terem dito que Younes precisava de um transplante de medula e de ter sido impossível enviar as amostras para a Alemanha, por causa da falta de serviços DHL no Irão, devido às sanções dos Estados Unidos, o pequeno Younes está numa cama. Deixou de andar, perdeu a visão e a audição. E não consegue comer.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.