Última hora

Trabalhadores de gigantes tecnológicas aderem à Greve Mundial pelo Clima

Trabalhadores de gigantes tecnológicas aderem à Greve Mundial pelo Clima
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Funcionários do Facebook, Google, Microsoft e Amazon aderiram à Greve Mundial pelo Clima, liderados pelo grupo Empregados da Amazon pela Justiça Climática.

A pressão coletiva funciona. A Amazon anunciou um compromisso climático.

"O compromisso climático é cumprir as metas do acordo de Paris dez anos antes," revelou o CEO da Amazon, Jeff Bezos.

A Coligação dos Trabalhadores em Tecnologia queria ainda mais cedo:

- Emissões zero de carbono até 2030

- Zero contratos com empresas de combustíveis fósseis

- Financiamento zero do lobby de negação climática

- Zero danos para os refugiados climáticos.

A Coligação diz que a indústria de tecnologia promove uma imagem "verde", enquanto contribui para as mudanças climáticas.

Isso acontece através de:

- Pegada oculta de carbono das Tecnológicas.

A indústria de computação contribui com 2% das emissões globais de carbono, semelhante à totalidade da indústria de aviação.

Em junho, a Amazon anunciou a expansão da própria rede de distribuição aérea, a Amazon Air, aumentando a frota de 40 para 70 aviões até 2021.

- Colaboração das tecnológicas com as grandes petrolíferas.

No ano passado, a Amazon organizou um evento chamado "Prevendo o próximo campo de petróleo em segundos com Inteligência Artificial", enquanto a Microsoft, numa das suas conferências, focou "Capacitar petróleo e gás com Inteligência Artificial".

- Repressão tecnológica sobre refugiados climáticos e comunidades vulneráveis

O NY Times noticiou que o clima extremo provocou um deslocamento recorde de 7 milhões de pessoas, só no primeiro semestre de 2019.

De acordo com ativistas, algumas empresas tecnológicas, incluindo a Amazon, podem estar a vender tecnologia que está a ser usada para policiar e vigiar comunidades vulneráveis.

"Ser bom para o clima é bom para os negócios" - diz a Comissão Global de Adaptação, um think tank internacional presidido pela grande lenda da tecnologia Bill Gates e pela Chefe Executiva do Banco Mundial, que pode ser a próxima chefe do FMI, Kristalina Georgieva.

De acordo com o relatório da Comissão, investir 1,6 biliões de euros em cinco áreas, entre 2020 e 2030, poderia gerar 6,5 biliões e meio de benefícios líquidos totais

O dinheiro deve ser direcionado para 5 áreas:

- sistemas de alerta precoce,

- infraestruturas resilientes ao clima,

- melhor agricultura de sequeiro,

- proteção global de manguezais

- recursos hídricos resilientes

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.