Última hora

Em busca de ouro e prata nas águas residuais

Em busca de ouro e prata nas águas residuais
Tamanho do texto Aa Aa

Muitos pensam que esgoto é sinónimo de desperdício mas um grupo de cientistas belgas tem uma abordagem diferente.

Os cientistas lançaram um projeto cujo objetivo é recuperar metais preciosos como ouro e prata do desperdício.

"Todos os esgotos da cidade chegam aqui para tratamento. A água é limpa e devolvida ao rio. Todos os materiais sólidos que contêm os metais estão concentrados nas lamas", afirma a Dra. Natacha Brion uma cientista da Universidade VUB na Bélgica.

A Dra. Natacha Brion recolhe amostras de várias estações de recolha espalhadas por Bruxelas.

O trabalho foi iniciado há seis meses num projeto com duração prevista de três anos.

O objetivo é recolher as nanopartículas de ouro e prata, invisíveis à vista desarmada, em cada etapa do processo de tratamento das águas.

Descobertas preliminares sugerem que os resíduos mais escuros são também os mais ricos.

Um total de três universidades colaboram neste projeto, o desafio é encontrar formas de extrair estes metais preciosos.

"Queremos utilizar nanomateriais e nanopartículas de óxido de ferro que são magnéticas e assim recolher separadamente as diferentes soluções", acrescenta o Professor Gilles Bruylants, cientista da Universidade ULB.

Os testes iniciais sugerem que é possível recolher cerca de um grama de ouro e cinco gramas de prata por cada tonelada de lama.

Os cientistas acreditam que as nanopartículas de ouro e prata provêm de roupas, equipamentos desportivos ou mesmo alguns medicamentos.

"Este recurso está praticamente esgotado por isso não é fácil encontrá-lo na natureza. Muitos cientistas estão empenhados em encontrar formas de reciclagem destes materiais", remata a Dra. Natacha Brion.

Igualmente importante, acrescenta a cientista, é otimizar o processo de tratamento de águas residuais evitando assim a contaminação aquando da devolução das águas ao rio.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.