Última hora

Moçambicanos salvam elefantes da extinção

Moçambicanos salvam elefantes da extinção
Tamanho do texto Aa Aa

Moçambique conseguiu, nos últimos dois anos, fazer importantes progressos na prevenção da caça furtiva. O Parque da Gorongosa, que começou por ser uma reserva de caça, chegou a ter mais de 4000 elefantes mas com a Guerra Civil, esse número caiu a pique. Hoje, serão cerca de 500. Foi a corrida ao marfim, que serviu também para financiar o conflito armado, que tornou esta espécie um alvo a abater. Hoje é um alvo a conservar, como tantas outras:

"Entre as espécies que não estão na lista de espécies protegidas, pelo menos o que vemos em Moçambique, é um crescimento estável, modesto, mas estável, de cerca de 13%, algumas um pouco mais 20%, outras um pouco menos."

Um desafio que terá levado à adaptação da espécie. Hoje, uma parte importante das fêmeas de elefante, em Moçambique e noutros países do continente africano, já nasce sem presas.

Carlos Lopes Pereira é um dos homens que luta, em Moçambique, pela sobrevivência da flora e fauna locais. No país, um quarto do território está protegido. Os 38 anos de trabalho e dedicação levaram-no a ser galardoado, pelo príncipe William de Inglaterra com o prémio "Conservação em África 2019".

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.