Última hora

NATO assinala os 70 anos

NATO assinala os 70 anos
Tamanho do texto Aa Aa

Esta semana a NATO assinala os 70 anos do Tratado do Atlântico Norte.

Foi a 4 de abril de 1949 que 12 estados ocidentais assinaram o tratado em Washington.

Para marcar a ocasião, a NATO publicou mais de dois milhares de documentos incluindo filmes e notícias desde os finais dos anos 40 até aos anos 90.

Os arquivos estão disponíveis em Londres e explicam as razões que levaram à criação da NATO.

"Penso que a mensagem da NATO é dizer às pessoas que se trata de uma organização que existe para assegurar maior prosperidade e paz na Europa evitando regressar aos conflitos do passado. É preciso sublinhar que existem culturas individuais e nacionalidades dentro do colectivo da NATO mas que estas partilham valores como a democracia e liberdade de expressão", afirma o curador do Imperial War Museum, em Londres, Greg Brockett.

Dwight Eisenhower foi o primeiro Comandante Supremo da NATO o que mereceu críticas da Europa.

A URSS em conjunto com outros sete estados da Europa central e de leste criaram o Pacto de Varsóvia em maio de 1955.

O primeiro Comandante supremo foi o marechal soviético Ivan Konev.

As tensões atingiram um pico com a crise dos mísseis cubanos.

Moscovo continuou a aumentar o seu poderio militar.

Os dois lados acabariam por sentar-se para negociar o desarmamento.

Mas o alívio das tensões foi de pouca duração e terminou com a invasão da Checoslováquia.

O golpe derradeiro no império soviético e no pacto de Varsóvia aconteceu quando o movimento polaco Solidariedade retirou o seu apoio.

" Existem temas recorrentes contidos em muitos documentos. Fundamentalmente, a organização reconhece as diferenças mas também o enorme potencial e benefícios que resultam da colaboração entre as 15 nações que abarcam a maioria deste período", adianta o curador Greg Brockett.

A cimeira para assinalar este aniversário decorre em Londres, capital que acolheu a primeira sede desta organização.

Trata-se igualmente de uma homenagem a Winston Churchill, o primeiro-ministro britânico que assinou o Tratado de Washington.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.