Última hora
This content is not available in your region

Greve dos transportes complica natal dos franceses

Greve dos transportes complica natal dos franceses
Direitos de autor
AP
Tamanho do texto Aa Aa

É um Natal complicado para os franceses.

Com a greve dos transportes a ultrapassar as duas dezenas de dias, são poucos os comboios ou metropolitanos que estão a funcionar, dificultando as viagens dos franceses nesta quadra natalícia.

De acordo com a Sociedade Nacional de Caminhos de Ferro (SNCF), apenas 1 em cada 3 comboios de alta velocidade e 20% dos Intercidades estão a circular.

A paralisação começou no cinco de dezembro. Os principais sindicatos do setor estão contra a proposta de reforma das pensões do presidente francês Emmanuel Macron.

A greve dos transportes já custou 400 milhões de euros à empresa ferroviária estatal. Segundo a agência EFE, o presidente da SNCF, Jean Paul Farandou, afirmou, numa entrevista, que a greve implica perdas de cerca de 20 milhões de euros por dia.

Os sindicatos afirmam que não desistem da paralisação até que o Governo francês abandone a reforma do sistema de pensões.

"A reforma não é boa para todos os franceses. É, realmente, por todos os franceses que estamos a lutar", afirmou o grevista Mathuieu Nogrette.

"Para nós não há tréguas. Estamos aqui, vamos ficar aqui e estamos à espera que o Governo assuma, finalmente, as suas responsabilidades face a esta greve que se arrasta há 20 dias", assegurou a grevista Hanane.

O primeiro-ministro, Édouard Philippe, informou que as negociações sobre a proposta de reforma do sistema nacional de pensões, com os sindicatos e as entidades patronais, terão início no dia sete de janeiro.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.