Última hora
This content is not available in your region

Comboios continuam a meio-gás em véspera do discurso de Macron

Comboios continuam a meio-gás em véspera do discurso de Macron
Direitos de autor
AP - David Vincent
Tamanho do texto Aa Aa

A greve dos transportes em França cumpre 26 dias esta segunda-feira, véspera do discurso de Novo Ano do Presidente Emmanuel Macron.

Existe a perspetiva de ser alguma novidade. Até porque o que está em causa desta vez é a reforma do regime de pensões prometida pelo governo.

Há um ano, o discurso de Macron ficou muito marcado pelo protesto dos coletes amarelos contra um aumento nos combustíveis. Agora, deverão ser os transportes e a reforma das pensões a marcar o discurso de novo ano.

O braço de ferro mantém-se entre os sindicatos e o executivo de Emmanuel Macron desde o dia cinco de dezembro. A presente greve é já mais longa do que a de 1995.

Em entrevista à última edição do Journal du Diamanche, o secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho, Philippe Martinez, responsabilizou o governo pela confusão gerada.

O governo respondeu no mesmo jornal. O secretário-geral dos Transportes, Jean-Baptiste Djebbari, acusou a CGT de praticar "um sindicalismo de bloqueio" e "intimidação" sobre uma parte dos ferroviários para que participem no protesto.

Não estão previstas novas negociações entre as partes até dia 07 de janeiro. Ao 26°. dia de greve, os transportes em França registam uma ligeira melhoria perante o cenário de domingo.

Ainda assim, esta segunda-feira a SNCF prevê apenas, em média, a circulação de um TGV a cada dois; quatro comboios regionais em cada dez; e um intercidades em cada quatro.

Em Paris, continuam fechadas duas linhas de metro e há já quem estranhe a resistência desta greve. Mesmo estrangeiros.

"Estou surpreendida que esteja a durar quase um mês. Julgo que é irritante para as pessoas que vivem aqui", afirmou à France Press, em inglês, Corina Kramer, uma turista holandesa utilizadora dos transportes parisienses.

A paralisação está também a ter consequências laborais. "Estou tão cansado desta greve que deixei o meu trabalho. Vou tentar procurar um trabalho mais perto da Gare do Norte", afirmou Pierre Cardon, um francês também entrevistado pela AFP, que reside em Creil e trabalhava no 15.°. bairro.

Questionado se tinha sido a greve a obrigá-lo a deixar o trabalho, Cardon disse que "teve peso" na decisão tomada.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.