Última hora
This content is not available in your region

Alterações climáticas na agenda de Davos

euronews_icons_loading
Alterações climáticas na agenda de Davos
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Com as alterações climáticas em destaque na agenda deste ano, continua a ser muito difícil chegar a Davos de uma maneira amiga do ambiente.

Para incentivar as pessoas a usarem o comboio em vez do avião, o Fórum Económico Mundial promete reembolsar metade do preço dos bilhetes de comboio se se vier de qualquer lugar na Europa.

Todos os anos há relatos de um número recorde de aviões particulares que chegam e partem de Davos e de aeroportos próximos.

Mas, de acordo com os dados oficiais, no ano passado, o volume de tráfego aéreo privado caiu 20%.

309 viagens para Zurique e St. Gallen-Altenrhein, mais cerca de 60 presidentes e primeiros-ministros que usam aviões militares que aterram numa base militar próxima.

Depois de chegar a Davos, a organização do Fórum Económico Mundial promete que a frota de veículos que transporta muitos dignitários pela cidade suíça é 88% elétrica ou híbrida.

"Como é que se chega a Davos? - Bem, não é tarefa fácil.

É uma das cidades mais altas da Europa. E, se não se faz parte de uma elite que chega de avião, é uma longa viagem pela montanha. Porque aqui é realmente o fim do caminho, a estrada termina em Davos.

Agora, uma coisa boa sobre isso - porque é difícil chegar, uma vez que os líderes empresariais estão aqui, eles não podem andar a escapar para um lado e outro. Eles acumulam, realmente, muitas reuniões e é assim que - em certa medida - dizem compensar as muitas milhas aéreas que percorrem para viajar até cá, devido ao grande número de reuniões que ocorrem. Isto porque não estão em conformidade com a mensagem do Fórum Económico Mundial sobre as alterações climáticas.

Mas para nós, as pessoas ditas normais, é um voo para Zurique e uma viagem de comboio bastante pitoresca - de 3 horas - até Davos.

E quando estiver aqui, poderá andar numa pequena viatura como esta, que o leva desde o centro de imprensa até ao centro de congressos," explica a jornalista da Euronews em Davos, Isabelle Kumar.