This content is not available in your region

França reduz dependência do nuclear

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
França reduz dependência do nuclear
Direitos de autor  AFP

Em França começa a reduzir-se, mas a passo quase de caracol, a dependência da energia nuclear. Fessenheim, na Alsácia, é a primeira central a ver desativados dois reatores, o primeiro em fevereiro, o segundo em junho.

A empresa estatal francesa do setor da eletricidade, EDF, tinha-se comprometido a desativar 14 reatores nucleares, em sete centrais, até 2035. Esta é a primeira ação nesse sentido, o que não significa o encerramento das fábricas. Trata-se apenas do fim de um ciclo de vida para os reatores mais antigos.

O governo gaulês pretende, ainda assim, reduzir a utilização de energia nuclear, em 20 por cento, até 2035 e aumentar o uso das energias renováveis. Um investimento com vista a ganhar autonomia energética e tornar-se mais amigo do ambiente.

De acordo com o Ministério da Transição Ecológica, serão gastos 1,8 mil milhões de euros em biogás e em aumentar a capacidade de produção de energia eólica no mar, uma melhoria em 40%, mas sem virar costas ao nuclear. Atualmente, 58 reatores operam em todo o país. A energia nuclear continua a ser a principal fonte de produção de eletricidade.