Última hora
This content is not available in your region

Impasse na cimeira da União Europeia sobre orçamento

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva com LUSA
euronews_icons_loading
Impasse na cimeira da União Europeia sobre orçamento
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Bruxelas acordou, sexta-feira, com um impasse político na cimeira da União Europeia sobre o orçamento para os próximos sete anos. Uma ronda de reuniões bilaterais e de pequenos grupos de Estados-membros durante a madrugada foi interrompida às sete da manha.

Questionado sobre os avanços, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, disse: "Quase nada, vamos passo a passo".

O regresso à mesa das negociações ficou marcado para o início da tarde, para tentar fazer a ponte entre os chamados quatro países frugais, que defendem cortes, e a maioria dos restantes que pede um orçamento menos modesto.

Quando chegaram, alguns dos líderes mostraram-se céticos.

"Estou disposta e preparada para ficar a negociar durante o fim de semana, mas não acho que vamos conseguir chegar a um acordo", disse Mette Frederiksen, primeira-ministra da Dinamarca.

"Muitos de nós não estão muito otimistas em termos de obter um resultado. É muito provável que tenhamos de organizar uma nova cimeira dedicada ao orcamento plurianual", afirmou Klaus Iohannis, presidente da Roménia.

"O problema é que se todos fizerem cálculos sobre quanto pagam e quanto recebem, nunca sairemos daqui. Quando, em 1957, se criou aquilo que viria a ser União, percebemos que, às vezes, temos de desistir de algo, ou pagar ou preço alto, em nome de ter algo melhor no futuro", disse Xavier Bettel, primeiro-ministro do Luxemburgo.

O acordo terá de passar no Parlamento Europeu, que tem poder de veto. O presidente, David Sassoli, disse: "A posição do Parlamento é muito clara, esta proposta apresentada é inaceitável e não será aprovada em votação".

Um bilião de euros em jogo, mais coisa menos coisa...

Várias fontes europeias apontaram que, até ao momento, não houve verdadeiramente progressos nas negociações e todos continuam a considerar inadequada a proposta negocial apresentada por Charles Michel, presidente do Conselho Europeu.

A proposta estabelece um orçamento plurianual para 2021-2027 de 1,09 mil milhões de euros, equivalente a 1,074% do Rendimento Nacional Bruto (RNB) da União, já sem o Reino Unido e continua a contemplar cortes na Política de Coesão e na Política Agrícola Comum (PAC) face ao quadro atual.

Para Portugal, esta proposta representa cortes de 9 a 10% na Política de Coesão e de 12% na PAC, face ao quadro financeiro atual. O primeiro-ministro, António Costa, classificou-os de "forretas" durante um debate, na terça-feira, na Assembleia da República.

A proposta original da Comissão, que já data do verão de 2018, contemplava um orçamento global com contribuições correspondentes a 1,11% do RNB.

O Parlamento Europeu considera ambas manifestamentes insuficiente, defendendo contribuições de 1,3% do RNB.