Última hora
This content is not available in your region

Têxtil é uma das prioridades no plano da economia circular

euronews_icons_loading
Têxtil é uma das prioridades no plano da economia circular
Direitos de autor  AP/Antonio Calanni
Tamanho do texto Aa Aa

Na passarela, as criações de Valérie Berckmans parecem ser apenas mais um exemplo da glamorosa indústria da moda. Mas consciente de que esse setor polui mais do que os sistemas de aviação e navegação mumdial, em comjunto, a estilista belga usa o ateliê e loja como um laboratório de reciclagem.

Sobras de tecidos orgânicos e adquirido em comércio justo são transformados em vestuário para crianças, roupa interior ou pensos higiénicos laváveis.

Pela primeira vez, a Comissão Europeia inclui os têxteis no novo plano de ação da economia circular e a estilista pede apoio financeiro.

"Quando se produz localmente e com materiais sustentáveis, tem-se uma margem de lucro muito, muito baixa. Não podemos ter muitas despesas e também é difícil pagar os impostos praticados numa economia industrializada", explicou a estilista.

Copyright 2019 The Associated Press. All rights reservedArmando Franca

A confeção está entregue a ateliês de costura belga e francês, porque a estilista recusa-se a explorar a força de trabalho nos países mais pobres da Ásia, como fazem os gigantes industriais.

O preço barato da roupa levou a um padrão de "consumo rápido" no mundo ocidental, ampliando o impacto ambiental negativo.

Anualmente, os cidadãos europeus:

  • compram, em média, mais de 12 kg de roupa
  • cuja produção emite 195 milhões de toneladas de CO2
  • e requer 46 milhões de metros cúbicos de água

Menos extração de recursos e mais reciclagem em todos os setores

Além da produção pouco sustentável, a indústria da moda recicla menos de um por cento dos seus produtos.

Um modelo que deve ser revertido em muitos setores, diz a Comissão Europeia que apresentou, quarta-feira, um plano de ação para a economia circular.

Outros setores particularmente visados serão os da eletrónica, plásticos, baterias e pilhas, construção civil e alimentação.

"Queremos transformar esses setores em sistemas circulares onde o desperdício é reduzido ao mínimo. Caso não seja possível evitar as sobras, estas devem ser transformadas num recurso valioso", disse Virginijus Sinkevičius, comissário europeu para o Ambiente, Oceanos e Pescas.

"Como a Europa não é rica em recursos naturais, a economia circular reforçaria a imunidade da economia contra desafios geopolíticos", acrescentou.

Falta meta específica

Mas os ambientalistas estão desiludidos por o plano não estabelecer a meta específica de reduzir o uso dos recursos naturais para metade, até 2030.

"Não se trata apenas de adicionar ao sistema atual um pouco de reciclagem. É realmente preciso reduzir a quantidade geral de recursos que estamos a extrair do planeta e também reutilizar os recursos que são usados, para garantir que evitamos o desperdício", afirmou Emily Macintosh, assessora no Gabinete Europeu do Ambiente, que reúne organizações não-governamentais europeias.

Este plano será combinado com a nova estratégia industrial, a fim de atingir o objetivo de tornar a União Europeia neutra em emissões poluentes até 2050.