Última hora
This content is not available in your region

Lufthansa no vermelho

euronews_icons_loading
Lufthansa no vermelho
Direitos de autor  Michael Sohn/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Começam agora a conhecer-se em detalhe os impactos da pandemia de Covid-19 no negócio da aviação. A Lufthansa anunciou perdas líquidas de 2 mil e 100 milhões de euros só no primeiro trimestre deste ano.

Um valor recorde revelado dois dias depois da companhia ter aceitado as condições da Comissão Europeia para o resgate de 9 mil milhões de euros por parte do governo alemão. Empréstimo que a empresa vai ter de pagar de volta enquanto os custos da operação não param de somar prejuízos. Isto apesar de ter neste momento os cerca de 87 mil funcionários a trabalhar apenas a meio tempo.

A Lufthansa é também dona de chancelas na Suíça, Áustria e Bélgica. Para já, sabe-se que a Brussels Airlines vai reduzir a frota em 30 por cento e despedir um quarto dos trabalhadores. A Austrian Airlines propõe um corte na mão de obra na ordem dos 20%.

Euronews
Alguns cortes estão já definidosEuronews

A administração não põe de parte cortes adicionais e mantém as negociações com os representantes dos trabalhadores.